Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Emprego e renda na indústria recuam em novembro

Emprego e renda na indústria caíram no mês de novembro de 2005, na comparação com o mês de outubro. A indústria contratou 0,6% a menos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os dados apontam que, na série com ajuste sazonal (que leva em consideração as tendências econômicas da época do ano), este é o segundo resultado negativo consecutivo nessa base de comparação. Com este resultado, o trimestral aponta que houve queda de 0,1% entre os trimestres encerrados em outubro e novembro. Em relação ao mesmo período de 2004, também observa-se queda (-0,9%) nas contratações. Apesar da tendência negativa, os indicadores para períodos mais abrangentes mostraram aumento: 1,2% no acumulado no ano e 1,5% no acumulado nos últimos doze meses.Dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI) comprovam a queda do emprego em novembro. De acordo com os dados da Confederação, o pessoal empregado na indústria foi reduzido em 0,36% em novembro, em comparação com outubro. O documento Indicadores Industriais, da CNI, aponta esse comportamento como um reflexo do desaquecimento da atividade econômica, registrado no terceiro trimestre do ano passado. RendaA folha de pagamento do setor também caiu na comparação com outubro, em 0,8%, segundo apurou o IBGE. No acumulado do ano, o índice apresentou crescimento de 3,7%. Em 12 meses o resultado foi maior, fechando com um avanço de 4,4%. O número de horas pagas no setor também cresceu 1,3% na comparação com outubro, porém, apresentou desaceleração de 0,7% ante o mesmo período de 2004, resultando no terceiro índice negativo na comparação com igual mês do ano anterior.Vendas cresceramNo mesmo mês em que emprego e renda caíram, a pesquisa da CNI mostrou que as vendas da indústria cresceram 3,84%. De acordo com o documento, o resultado de novembro interrompeu uma seqüência de quatro meses de queda, mas ressalta que apesar do crescimento, em novembro, as vendas apenas retornaram ao patamar que encerraram o segundo trimestre de 2005. O documento atribui o movimento à redução nas taxas de juros e ao aumento do volume de crédito, de uma maneira geral. Na comparação das vendas com novembro de 2004, houve um crescimento de 0,94% e no período acumulado de janeiro a novembro de 2005, as vendas apresentaram expansão de 2,14%, em comparação ao mesmo período do ano anterior.As horas trabalhadas na produção tiveram uma queda de 1,04%, em novembro, em relação a outubro, o que a CNI atribui a um reflexo da adequação dos estoques, que tinham sido elevados em outubro. A formação de estoques também explica que, no mesmo mês de queda do emprego e renda, as vendas tenham subido.Na semana passada, este cenário já havia sido traçado por Aloísio Campelo, coordenador da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação da FGV. Segundo ele, os empresários da indústria falharam na projeção sobre a demanda por seus produtos ao longo de 2005 e acabaram acumulando estoques que ainda estão em processo de desova. Por conta disso, a produção industrial desacelerou no quarto trimestre e só deve ser retomada depois de janeiro. Veja aqui mais informações.

Agencia Estado,

17 de janeiro de 2006 | 12h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.