Emprego formal cresce 18% no primeiro semestre

O mercado formal de emprego no País gerou 18,5% mais empregos nos primeiros seis meses desse ano em relação ao mesmo período do ano passado. De acordo com dados divulgados pelo Ministério do Trabalho, o mercado de trabalho encerrou o semestre com geração acumulada de 680.750 empregos, sendo que no primeiro semestre do ano passado houve abertura de 573.989 vagas. Em junho, pelo sexto mês consecutivo, aumentou-se o número de empregos com carteira assinada e surgiram 133.346 novas vagas, 0,61% a mais que os números de maio.Os dados do Ministério do Trabalho têm como base o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Esse cadastro é preenchido todo mês pelas empresas quando há movimentação de pessoal, tanto admitidos quanto demitidos. No mês passado, o número de trabalhadores formais aumentou em praticamente todos os segmentos de atividade econômica. O principal foi a agricultura, onde surgiram 61.373 novas vagas, um aumento de 5,4% em relação a maio. Em seguida, estão os Serviços, que geraram 32.446 postos (0,389% a mais) e o Comércio, com o incremento de 26.711 novos empregos (0,62% a mais). Já a Indústria de Transformação respondeu pela criação de 10.578 ocupações formais, o que representou 0,20% a mais que maio. Grande parte do crescimento do emprego formal ocorreu em São Paulo e Minas Gerais. O melhor resultado foi registrado em São Paulo, onde foram criados 52.292 postos (0,71% superior ao mês anterior), enquanto Minas Gerais mostrou balanço positivo de 36.732 ocupações (mais 1,57%).Neste mês, as Regiões Metropolitanas responderam pelo crescimento de 36.732 trabalhadores com carteira (+0,33%). A maior variação absoluta ocorreu na Região de São Paulo, e foi da ordem de 13.842 postos (+0,36%). Na segunda e terceira posição estão as áreas do Rio de Janeiro e Belo Horizonte, que responderam, respectivamente, pela criação de 4.692 (0,26%) e 3.645 (0,41%) empregos formais.

Agencia Estado,

23 de julho de 2002 | 18h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.