Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Emprego formal cresce após três meses de perdas seguidas

Saldo de 9 .179 vagas é menor do que o de 20 mil adiantado pelo governo e o pior para fevereiro em 10 anos

AE

18 de março de 2009 | 11h29

 

BRASÍLIA - O emprego formal no país voltou a crescer em fevereiro após três meses de queda, informa balanço do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do ministério do Trabalho, divulgado nesta quarta-feira, 18. No mês foram criadas 9. 179 vagas a mais que o número de demissões. O saldo é menor do que o de 20 mil adiantado ontem pelo ministro do Trabalho, Carlos Lupi, e é o pior para o mês de fevereiro desde 1999,quando foram eliminadas 78 mil vagas.

 

Veja também:

especialA variação do emprego no Brasil e nos EUA

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

especialDicionário da crise  

"O saldo é pequeno, mas é positivo", disse Lupi, em entrevista coletiva para anunciar os números.

 

Em fevereiro, foram contratados 1.233.554 empregados, e demitidos 1.224.375. Cinco setores apresentaram desempenho positivo: serviços, administração pública, construção civil, agricultura e serviços industriais de utilidade pública. As maiores perdas, por outro lado, foram registradas na indústria de transformação e comércio.

 
Tudo o que sabemos sobre:
Cageddesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.