Emprego industrial cai 1,81% em dezembro de 2006

O nível de emprego da indústria paulista recuou 1,81% em dezembro de 2006, na comparação com o mês anterior, segundo anunciou nesta quinta-feira o Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp). Este é o pior resultado desde 2000, quando o Ciesp iniciou a pesquisa.De acordo com o estudo, a indústria paulista fechou 38.373 postos de trabalho em dezembro do ano passado. No mesmo mês de 2005, quando foram fechadas 28.694 vagas. Para o diretor do Departamento de Economia (Decon) do Ciesp, Boris Tabacof, o ano de 2006 tem uma característica peculiar: o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) será maior do que em 2005, porém o emprego industrial não sentirá este efeito. "Todos os fatores macroeconômicos tiveram aspecto positivo, mas houve um aumento da produtividade, o que reduziu a quantidade de trabalhadores. A produtividade cresce, o PIB cresce, mas o emprego não sobe tanto."Tabacof explica ainda que em 2006 as empresas investiram menos do que previam inicialmente. Para ele, os empresários não tem certeza de que o ritmo de crescimento da economia avance consideravelmente. "Eles (os empresários) querem ter certeza de que não haverá grandes freios para o crescimento do mercado interno. Não se projeta um ambiente de grande crescimento econômico para o Brasil", afirmou Tabacof.Segundo o Ciesp, 17 setores, que representam 90,86% das indústrias paulistas, apresentaram desempenho negativo em número de vagas em dezembro do ano passado, em comparação a novembro. Entre eles: produtos alimentares (-23.037); destilados, destilação de álcool e refino de petróleo (-4.630) e confecção de artigos do vestuários e acessórios (-3.373). A pesquisa constatou também que quatro setores tiveram desempenho positivo em criação de postos de trabalho. Entre eles, artefatos de couro e artigos de viagem (367) e edição, impressão e reprodução (221).No acumulado do ano, segundo o Ciesp, em 2006 houve um avanço de 0,5% nas vagas, o que representa a criação de 10.051 postos de trabalho (2.672 empregos a menos do que em 2005). Segundo o órgão, este é o pior resultado desde 2004.Das 35 diretorias pesquisadas, 30 apresentaram comportamento negativo em relação ao nível de emprego. Entre os destaques, estão Sertãozinho (-17,48%), Araçatuba (-15,14%), Franca (-11,09%). Os destaques positivos no Nível de Emprego Regional da Indústria foram constatados em São Carlos (0,73%), Osasco (0,51%) e Marília (0,21%).Em relação a 2007, Tabacof projeta um crescimento do emprego industrial de 1% a 1,2%. "Há uma expectativa de que 2007 seja ligeiramente mais favorável para o crescimento do emprego industrial do que em 2006. Um ano melhor, mas com um avanço modesto", finalizou.Notícia atualizada às 13h30 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.