Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Emprego industrial cresce 2,3% e folha de pagamento 8,3%

O emprego industrial apresentou em julho o maior crescimento em relação a igual mês do ano anterior registrado desde o início da série do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em janeiro de 2002. A alta foi de 2,3%.Na série livre de influências sazonais (fatos temporais), houve variação de 0,2% no emprego da indústria em julho ante junho. Trata-se do terceiro mês consecutivo de crescimento nessa base de comparação. No acumulado do ano até julho, houve aumento de 0,5%.Os crescimentos não foram suficientes, entretanto, para reverter o resultado negativo acumulado nos últimos 12 meses, de 0,3%.Segundo o IBGE, "pela análise da evolução do indicador de média móvel trimestral, o emprego permanece em trajetória ascendente, acumulando crescimento de 2,5% entre os trimestres encerrados em julho deste ano e dezembro de 2003".Folha de pagamento cresce 8,3%A folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria cresceu8,3% em julho ante igual período do ano passado, segundo divulgou o IBGE. Houve aumentos também na folha real de 9,0% no acumulado no ano e4,1% nos últimos doze meses.Na série livre de influências sazonais, após crescimento de 0,7% em junho, a folha de pagamento real dos trabalhadores do setor industrial manteve-se estável em julho, na comparação com o mês anterior.

Agencia Estado,

16 de setembro de 2004 | 09h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.