finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Emprego industrial se acomoda após 5 meses de alta

Apesar de mostrar acomodação no mês de junho, emprego tem expansão de 1,6% no 1º semestre do ano

Reuters,

13 de agosto de 2007 | 09h57

O emprego na indústria brasileira recuou 0,1% em junho frente ao mês anterior, em um sinal de acomodação após cinco meses de alta, segundo dados divulgados nesta segunda-feira, 13, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).   Em comunicado, o IBGE destacou que o comportamento trimestral do emprego ainda é forte. O crescimento de 1,1% no segundo trimestre do ano "mostra a taxa mais elevada desde o terceiro trimestre de 2004".   Na comparação com junho do ano passado, o nível de emprego no setor cresceu 2,1%. No primeiro semestre, a expansão é de 1,6% e em 12 meses de 1%.   Os dados desta segunda também mostraram que, em relação a igual mês do ano passado, todos os 14 locais pesquisados e 11 dos 18 setores aumentaram o contingente de trabalhadores.   Os destaques foram São Paulo, onde o emprego industrial aumentou 2,9%, e Minas Gerais, com crescimento de 2,1%.   Em junho, a folha de pagamento real dos trabalhadores da indústria variou 0,2% frente a maio e 4,6% ante o mesmo mês do ano passado. Na comparação anual, a principal contribuição veio de São Paulo, por conta de produtos químicos, meios de transporte e metalurgia básica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.