coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Emprego industrial sobe 0,45% em maio

O nível de emprego na indústria paulista, apurado pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), subiu 0,45% em maio ante abril, o que representou a criação de 9.497 vagas. O total foi considerado medíocre pelo diretor do Departamento de Economia da entidade, Boris Tabacof. O resultado também apresenta desaceleração em relação a abril, quando a variação foi de 1,48%, a maior do ano.Tabacof afirmou que a mediocridade dos números é resultado da manutenção dos fundamentos apertados da economia. O diretor do Ciesp ressaltou ainda que abril é um mês tradicionalmente de alta na produção industrial, o que explica, pelo menos em parte, a desaceleração das contratações em maio, frente ao mês anterior.No ano, foram criados 55.818 postos de trabalho, o equivalente a uma alta de 2,67% ante o total de vagas de 2005. Em todo o ano passado, foram criadas 106.663 vagas. A título de comparação, em maio de 2005, o indicador havia subido 0,75% ante abril, com criação de 15.828 vagas. Em abril passado, o crescimento fora de 1,48% sobre o mês anterior.Segundo a pesquisa do Ciesp, realizada entre cerca de 2 mil indústrias em todo o Estado, o nível de emprego do interior cresceu 0,66% em maio, na comparação com abril, enquanto, na Grande São Paulo, o incremento foi de 0,16%, na mesma base de comparação.Expectativa Mesmo com o resultado de maio, a expectativa é de que a indústria paulista crie em 2006 entre 20 mil e 40 mil novos postos de trabalho, ante 12,7 mil no ano passado. Para os próximos meses, o Ciesp acredita em manutenção da alta do emprego, porém com variações pouco expressivas, como aconteceu em maio.A pesquisa do Ciesp mostra que os setores que mais criaram vagas em maio foram produtos alimentares (11.276); edição, impressão e reproduções (1.287); e confecção e artigos do vestuário (884). A produção de açúcar foi a principal responsável, porém não a única, pelas contratações no setor de alimentos. Na ponta negativa, registraram demissões os setores de calçados (-1.179); matéria de transporte (-684); e artefatos de couro e artigos de viagem (-669).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.