Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Emprego informal sobe 2,4% em agosto, alta acima do mercado formal, diz IBGE

Copa do Mundo e eleição podem ter influenciado o resultado; o emprego com carteira assinada avançou 0,7% em agosto 

Idiana Tomazelli , O Estado de S. Paulo

25 de setembro de 2014 | 13h05

RIO - O trabalho não registrado começa a apresentar indícios de aumento na Pesquisa Mensal de Emprego, embora o movimento ainda não seja significativo, afirmou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). "Isso mostra que o mercado de trabalho não está gerando postos de trabalho formais como antes", avaliou.

Em agosto, houve aumento de 2,4% (49 mil pessoas) no emprego sem carteira de trabalho, enquanto os trabalhadores por conta própria avançaram 1,3% (56 mil), sempre na comparação com julho. No mercado formal, o emprego com carteira assinada avançou 0,7% em relação a julho e 0,4% em relação a agosto do ano passado. 

A diferença de pessoas com carteira assinada empregadas em agosto em relação a julho foi de 84 mil trabalhadores. Em relação ao total da população ocupada, o emprego formal é maioria (50,8%).

Embora não haja evidências que comprovem a relação de eventos como a Copa do Mundo e as Eleições, Azeredo afirmou que algumas pessoas podem se sentir incentivadas a buscar trabalho nessas épocas. Isso aumenta a população economicamente ativa - fenômeno que ocorreu em agosto, com acréscimo de 102 mil pessoas - e ainda pode estar provocando redução no rendimento em alguns meses.

"Esses eventos, de alguma forma, trazem trabalhadores sem carteira e por conta própria. Não temos como levantar se é por isso mesmo. Não posso garantir o efeito na pesquisa, mas podemos dizer que aconteceu isso (queda) com o rendimento", afirmou Azeredo.

Em outros meses, contudo, houve maior avanço dos postos informais. Em junho, por exemplo, o emprego sem carteira aumentou 1,1%, enquanto os trabalhadores por conta própria avançaram 2,6%. Os empregos formais, por sua vez, recuaram 0,1%, sempre na comparação com maio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.