Estadão
Estadão

Emprego na indústria cai 0,6% em março e registra a terceira queda seguida

Segundo o IBGE, em relação a março de 2014, o emprego industrial teve baixa de 5,1%, o 42º resultado negativo consecutivo

Idiana Tomazelli, O Estado de S. Paulo

19 Maio 2015 | 09h18

RIO - Em mais um sinal de esfriamento da atividade, a indústria fechou vagas e pagou menos horas aos empregados em março. O emprego na indústria recuou 0,6% na passagem de fevereiro para março, o terceiro resultado negativo consecutivo. Em 12 meses, o indicador tem queda de 3,9%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na comparação entre março de 2015 e março de 2014, o emprego industrial apontou queda de 5,1%, o recuo mais intenso desde outubro de 2009 (-5,4%). Trata-se do 42º resultado negativo consecutivo nesse tipo de confronto.

Já no acumulado do primeiro trimestre, o emprego na indústria recuou 0,7% na comparação com os últimos três meses do ano passado e cedeu 4,6% em relação ao primeiro trimestre de 2014. 

Segundo o órgão, na comparação interanual foram registradas reduções no contingente de trabalhadores em todos os 18 ramos avaliados no período, com destaque para meios de transporte (-10%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-12,1%), produtos de metal (-10,2%), máquinas e equipamentos (-6,1%), alimentos e bebidas (-2%) e outros produtos da indústria de transformação (-8,1%).

Menos horas pagas. O número de horas pagas pela indústria recuou 0,3% em março ante fevereiro. Já no confronto com março de 2014, a redução no indicador foi de 5,1%, a 22ª taxa negativa nesse tipo de comparação. Na comparação com março do ano passado, 16 dos 18 setores apontaram taxas negativas.

Com o resultado de março, o número de horas pagas na indústria acumulou queda de 0,4% no primeiro trimestre contra o último trimestre do ano passado. Já na comparação com os três primeiros meses de 2014, o recuo foi de 5,2%, a 12ª taxa negativa seguida nesta comparação. Em 12 meses até março, o número de horas pagas na indústria cai 4,6%.

Já o valor real da folha de pagamento dos trabalhadores da indústria subiu 0,1% em março ante fevereiro, já descontados os efeitos sazonais. Apesar do resultado, o índice acumula queda de 2,8% em 12 meses. Em março, houve influência positiva do setor extrativo (11,8%), após recuo de 17,9% no mês anterior.  

Em relação a março de 2014, a folha de pagamento real diminuiu 4,3% em março deste ano, a 10ª taxa negativa consecutiva neste tipo de confronto. As perdas nesta base foram registradas em 17 das 18 atividades pesquisadas, com destaque para meios de transporte (-8,4%), produtos de metal (-9,1%), metalurgia básica (-9,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-7,6%), máquinas e equipamentos (-2,9%), calçados e couro (-8,8%), borracha e plástico (-4,0%), refino de petróleo e produção de álcool (-4,5%) e produtos têxteis (-3,4%). 

Por outro lado, o setor de madeira (+0,3%) assinalou a única taxa positiva no mês. No acumulado do primeiro trimestre deste ano, o valor real da folha de pagamento da indústria recuou 0,5% em relação aos últimos três meses do ano passado e cedeu 4,9% ante o primeiro trimestre de 2014.

Mais conteúdo sobre:
empregoindústriaIBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.