coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Emprego na indústria cai e revela recuperação lenta da economia

O mercado de trabalho na indústriamanteve em janeiro os sinais de retração do ano passado, comqueda de 1,8% no emprego no mês ante igual período de 2000.Houve redução também ante dezembro (-0,2%), a terceiraconsecutiva nessa base de comparação. "A tendência de queda nomercado de trabalho industrial revela coerência com o nível derecuperação ainda suave do setor", disse o chefe doDepartamento de Indústria do Instituto Brasileiro de Geografia eEstatística (IBGE), Silvio Sales. Houve diminuição também novalor dos salários pagos e no número de horas trabalhadas. A retração registrada em São Paulo, o mais importantemercado de trabalho industrial do País, foi mais acentuada doque a média nacional em todos os indicadores de janeiro. Aindústria paulista apresentou um dos piores desempenhosregionais no que diz respeito ao emprego, que caiu 2,4% emjaneiro no Estado ante igual mês do ano passado, segundo o IBGE.Na comparação com dezembro, a queda em São Paulo foi de 0,3%. Salários - A folha real de pagamento da indústrianacional caiu 23,2% ante dezembro e 2% na comparação com janeirodo ano passado. Sales sublinhou que o confronto com dezembrosofreu forte efeito de base de comparação, já que o mês émarcado pelo pagamento da segunda parcela do 13º salário. Eleatribui a continuidade da queda da folha à demanda detrabalhadores superior à oferta de vagas, o que reduz o poder debarganha, e à alta rotatividade no setor, que permite acontratação de novos funcionários com menores salários. No que diz respeito ao número de horas, a queda atingiu1,7% sobre dezembro e 2,7% ante janeiro de 2001. Segundo Sales,esse indicador reflete com maior fidelidade o ritmo imediato deprodução industrial - já que em momentos de crise as empresasoptam por ajustes no tempo de trabalho para evitar custos decontratação e demissão - e foi um "bom termômetro" dadesaceleração em janeiro. A retração do mercado de trabalho no mês atingiu a maiorparte dos segmentos industriais. Entre dezembro e janeiro, houveredução do emprego em 9 dos 18 ramos industriais pesquisados,com destaque para o de máquinas e aparelhos eletroeletrônicos ede comunicações (-1,9%, exercendo a maior pressão sobre o índiceglobal) , alimentos e bebidas (-0,5%) e calçados e couros (-13%). Na comparação com janeiro de 2001, houve queda em 14 dos18 ramos, especialmente nos segmentos de madeira (-11,7%),máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-7,0%)e máquinas e equipamentos (-3,4%). São Paulo - Segundo Sales, a redução do emprego naindústria paulista na comparação com mês anterior vem ocorrendodesde setembro. Entre agosto de 2001 e janeiro último, o empregono Estado apresentou queda acumulada de 4,4%. Segundo o IBGE, ovalor da folha de pagamento caiu 4,6% no Estado em janeiro, anteigual mês do ano passado, puxando para baixo o indicadornacional (-2%). As reduções de maior impacto na folha no Estado nessabase de comparação foram registradas nos setores de máquinas eaparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-17,6%) e depapel e gráfica (-9,1%).

Agencia Estado,

26 de março de 2002 | 17h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.