Emprego na indústria paulista cai em maio após 2 meses de alta

Queda representou o fechamento de 3,5 mil vagas e foi a maior na comparação mensal desde abril de 2005

Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

17 de junho de 2009 | 11h26

Após dois meses seguidos de crescimento, o emprego na indústria de São Paulo caiu 0,69% em maio ante abril, na série com ajuste sazonal, levando-se em conta os efeitos temporais do período, segundo dados divulgados pela Federação das Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp) nesta quarta-feira, 17. Sem o ajuste sazonal, ocorreu uma redução de 0,17% do número de postos de trabalho, em maio, ante abril, o que representou um fechamento de 3.500 vagas. Essa foi a maior queda mensal desde abril de 2005.

 

Veja também:

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

De acordo com a Fiesp, o número de vagas encerradas em maio caiu 176 mil em relação ao total apurado em igual mês do ano passado, o que representa uma queda de 7,35%. No acumulado do ano, a pesquisa indicou corte de 46 mil vagas, o que equivale a uma queda de 2,03% ante igual período de 2008.

 

Metalurgia foi o setor que puxou as reduções no número vagas na indústria, com 1.333 vagas fechadas em maio, seguido de perto pelo grupo chamado produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos, que fechou 1.329 postos.  

 

Por outro lado, o destaque de alta foi fabricação de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, com crescimento do emprego de 3,1%. Dos 22 sindicatos pesquisados pela Fiesp, 14 relataram demissões em maio, 7 informaram contratações e 1 apontou estabilidade do emprego.

 

Confiança

 

O índice que mede a confiança dos dirigentes de companhias paulistas, apurado pela Fiesp, a pesquisa Sensor, registrou a marca de 50,8 pontos na primeira quinzena de junho. Esse resultado mostra uma trajetória de queda na confiança do empresariado já que é inferior aos dados registrados nas duas quinzenas de maio.

 

Na primeira metade do mês passado, o índice atingiu 53,2 pontos e, na segunda, baixou para 51,4 pontos. A direção da Fiesp realiza entrevista coletiva neste momento, na qual detalhará os dados da pesquisa.

 

(Com Reuters)

Tudo o que sabemos sobre:
crise financeiraempregoindústria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.