finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Emprego na indústria tem 12ª alta seguida

Queda de 0,1% em junho ante maio foi de ?acomodação?, diz o IBGE

Alessandra Saraiva, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2014 | 00h00

Beneficiado pelo bom momento da produção, o emprego industrial manteve a tendência de crescimento em junho. Apesar da leve queda (0,1%) ante maio, a ocupação na indústria teve aumentos em todas as outras comparações, segundo dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).Em relação a junho do ano passado, o emprego cresceu 2,1%, no 12º saldo positivo nessa comparação. Na avaliação trimestral, a elevação foi de 2% de abril a junho ante o segundo trimestre de 2006, melhor resultado para o período desde 2005 (2,2%).Para a economista Isabela Nunes, do IBGE, a taxa negativa próxima de zero na ocupação entre maio e junho mostra apenas um sinal natural de "acomodação". Ela comentou que a ocupação na indústria também teve resultados positivos nas taxas acumuladas, com aumento de 1,6% no primeiro semestre e de 1% em 12 meses até junho.Além disso, subiu 1,1% no segundo trimestre, em comparação ao primeiro do ano, também o nível mais elevado desde o terceiro trimestre de 2004 (1,6%). "Os números de emprego industrial mostram um aquecimento maior da indústria", comentou Isabela.A confirmação da tendência ascendente no emprego dependerá da permanência do bom cenário na indústria e da evolução produção, para a economista do IBGE. Ela admitiu que existem ganhos em produtividade, com os quais a indústria melhora os resultados sem contratar mão-de-obra.Mas ponderou que, se os resultados permanecerem positivos, isso vai acabar se refletindo, em maior ou menor escala, no emprego. "O cenário que se apresenta é de vendas e produção crescendo. Isso está trazendo melhores resultados para o emprego", afirmou. A analista da consultoria Tendências Cláudia Oshiro tem a mesma posição. Para ela, a conjuntura favorável e as boas perspectivas para a indústria devem continuar impulsionando a contratação no segundo semestre. Em relatório, o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) também fez avaliação positiva do resultado da pesquisa do IBGE e ressaltou que o quadro é efetivamente o de aceleração da criação de empregos em 2007.FOLHA DE PAGAMENTOA folha de pagamento do setor industrial no País cresceu em junho 0,2% ante maio e 4,6% ante junho do ano passado. Na comparação trimestral, houve elevação de 4,6% no primeiro semestre e de 4,9% no segundo, ante iguais períodos no ano anterior.Na análise de Isabela, o bom cenário reflete o ritmo aquecido da indústria paulista. São Paulo tem influência no cenário total de emprego, visto que representa cerca 40% do resultado da indústria nacional. Em junho, na comparação com o mesmo mês do ano passado, houve aumentos, na folha industrial de São Paulo, em produtos químicos (19,2%); meios de transporte (5,4%) e metalurgia básica (12,3%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.