Eva Plevier/Reuters - 23/1/2019
Eva Plevier/Reuters - 23/1/2019

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Empregos de meio período ajudam mulheres a permanecer em trabalho remunerado

Na Holanda, país que é campeão mundial nessa modalidade de trabalho e costuma ser elogiado pelo equilíbrio entre vida profissional e filhos felizes, é o que tem a maior diferença entre direitos na aposentadoria entre homens e mulheres e a maior na renda mensal

The Economist

09 de setembro de 2019 | 10h15

Encontrar uma mulher holandesa numa quarta-feira pode ser complicado. Na maioria das escolas primárias, é meio período e, como três quartos das mulheres que trabalham também o fazem em meio período, é um dia popular para dar uma escapada. Os holandeses são campeões mundiais no trabalho de meio período e são frequentemente elogiados por seu equilíbrio saudável entre vida profissional e filhos felizes. Mas isso tem um preço. 

Entre os países da Europa Ocidental, a Holanda é o que tem a maior diferença entre os direitos na aposentadoria entre homens e mulheres e a maior na renda mensal. Mesmo que uma parcela semelhante de mulheres holandesas esteja na força de trabalho como em outras partes da Europa Ocidental, sua contribuição para o PIB, em 33%, é muito menor, principalmente porque elas trabalham menos horas.

No mundo rico, o trabalho de meio período decolou na segunda metade do século 20, quando o setor de serviços substituiu o manufatureiro e as mulheres entraram no mercado de trabalho. Continua sendo essencial dar espaço para que as mulheres trabalhem, principalmente após o parto, principalmente, em países com regras tradicionalistas de gênero. Mas isso pode prolongar - ou até piorar - a desigualdade entre os sexos e tornar as mulheres menos independentes, prendendo-as a empregos com salários e perspectivas piores. As diferenças nas horas de trabalho explicam uma parte da crescente disparidade salarial entre homens e mulheres. Tal parcela pode aumentar à medida que o mercado de trabalho recompensa desproporcionalmente aqueles que estão dispostos e aptos a trabalhar todas as horas - que são em sua maioria homens.

Quase um em cada cinco trabalhadores no mundo trabalha meio período (definido como um trabalho de menos de 35 horas por semana). Em muitos países, as mulheres casadas são o grupo com maior probabilidade de trabalhar em regime parcial, e os homens casados são os que menos fazem isso. Na UE, uma em cada três mulheres entre 20 e 64 anos trabalha meio período, em comparação com menos de um em 12 homens. Após a crise financeira, o número de trabalhadores temporários “involuntários” - trabalhadores que cumpririam mais horas se conseguissem um serviço com essa característica - aumentou de forma alarmante em alguns países, incluindo Estados Unidos, Grã-Bretanha e Espanha.

As obrigações familiares muitas vezes levam as mulheres a optarem por trabalhar meio período. Nos Estados Unidos, 34% das mulheres que trabalham em meio período, em comparação a 9% dos homens, citam isso como o principal motivo. Na UE, os números são de 44% e 16%. “O trabalho de meio período pode ser muito positivo quando a alternativa teria sido as mulheres deixarem completamente o mercado de trabalho”, diz Andrea Bassanini, da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Sua disponibilidade foi atribuída ao rápido crescimento da participação feminina, não apenas na Holanda, mas também na Alemanha, Japão e Espanha, onde mudou o agregado familiar padrão de um para um e meio provedor. Na Alemanha, todo o crescimento da força de trabalho feminina nos últimos 15 anos limitou-se ao aumento dos trabalhadores de meio período.

Mas para as mulheres, há um custo. Dentro da OCDE - além do Japão e da Coreia do Sul, onde as mulheres são excluídas da maioria dos empregos bem remunerados -, o trabalho de meio período e a disparidade salarial entre os sexos estão significativamente correlacionados. A mistura de razões varia de país para país, mas três se destacam.

Primeiro, em quase todos os lugares com dados disponíveis, os empregos de meio período pagam menos por hora do que os de tempo integral. Às vezes, isso está relacionado à uma ocupação. Uma empresa de recrutamento, de fato, descobriu que a hora trabalhada no sistema de meio período nos Estados Unidos era mais alta em empregos que recompensavam fortes relacionamentos com clientes, como no varejo, ou onde os trabalhadores estavam sempre de plantão, como desenvolvedores de web. 

Segundo, as pessoas que trabalham meio período são mais propensas a ter um “emprego ruim” - que ofereça pouco treinamento e menos direitos legais. Nos Estados Unidos, 39% das trabalhadoras em período parcial, em comparação com 6% dos homens em período integral e 9% das mulheres em período integral, estão no mercado de trabalho “secundário”, com baixos salários, sem benefícios e poucas oportunidades de mudar para melhores empregos, escreve Arne Kalleberg, da Universidade da Carolina do Norte, em Precarious Work (Trabalho Precário). 

De acordo com Patricia Gallego-Granados, do DIW (instituto alemão de pesquisa econômica, um think tank de Berlim), frequentar um período parcial na Alemanha geralmente envolve um “rebaixamento ocupacional”: aceitar um emprego que não utiliza ao máximo a capacitação do trabalhador.

Mesmo bons empregos podem se tornar piores quando realizados em período parcial. Um estudo de mulheres americanas em ocupações de elite que voluntariamente se mudaram para posições de meio período constatou que elas foram colocadas em um “caminho de múmias” com menor chance de progredir. Na Grã-Bretanha, afirma o IFS (Industrial and Finances Systems), um grupo de estudos, os aumentos de salários param quando uma mulher passa para um período parcial. Para os graduados, a penalidade é particularmente grande, pois eles obtêm um retorno maior com a experiência. O IFS calcula que um quarto da diferença de horas trabalhadas entre homens e mulheres na Grã-Bretanha pode ser explicada pela maior propensão das mulheres de trabalhar em meio período.

Terceiro, o trabalho de meio período pode ser uma armadilha. Embora muitas vezes seja um expediente de curto prazo, a maioria das mulheres que começam a trabalhar em período parcial continuam por mais tempo do que o pretendido. Muitas jamais voltarão ao período integral. A parcela de mulheres holandesas que trabalham em período integral atinge o pico entre os 25 e os 30 anos e depois cai, para nunca se recuperar - muito diferente do padrão dos homens, que atingem o pico mais tarde e depois se estabilizam. Um estudo na Austrália descobriu que a probabilidade de uma mulher mudar de horário, contrato ou empregador cai de 25% a 35% depois que ela se torna mãe. “O melhor tipo de trabalho de meio período é de curta duração”, diz Jon Messenger, da Organização Internacional do Trabalho.

Para um empregador, o benefício de trabalhadores de meio período e não de tempo integral depende do setor. Quando a demanda varia muito, os funcionários em meio período trazem grandes ganhos de produtividade, de acordo com um extenso estudo com empregados de farmácias. As empresas onde os funcionários em período integral trabalham mais de 48 horas por semana podem se beneficiar de mais funcionários em meio período, uma vez que a produtividade cai, acima desse limite. Mas, caso contrário, a evidência é mista. Em países com menos proteções para funcionários em tempo parcial (Holanda e Noruega são raras exceções), as empresas as escolhem por esse motivo.

No entanto, até mesmo os homens modernos, voltados para a família, enfrentam um dilema. Seus pedidos para trabalhar em período parcial têm mais probabilidade de serem rejeitados do que os das mulheres. E aqueles que trabalham meio período correm risco de discriminação. Um estudo no qual os currículos foram enviados a possíveis empregadores constatou-se que homens com experiência de trabalho em período parcial tinham apenas metade da probabilidade de receber uma ligação de retorno do que aqueles que eram idênticos, exceto por trabalharem em período integral. As mulheres em período parcial não enfrentaram tal discriminação. Enquanto esses padrões duplos existirem, muitos casais ainda optarão por reduzir a carreira dela, e não a dele. /Tradução de Claudia Bozzo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.