Empreiteiras cobram dívidas do governo para entrar no PPP

A possibilidade de retomada de obras de infra-estrutura no programa Parceria Público-Privada (PPP) vai depender da solução de algumas "pendências", como a quitação de débitos do governo com empreiteiras. "Temos créditos de quase R$ 500 milhões junto ao governo, que estão atrasados. Ninguém começará obra nova se não receber essas pendências", disse hoje o presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon), Luiz Fernando Santos Reis.O presidente do Sinicon disse que o governo anunciou que teria uma proposta ao setor ainda esta semana para resolver a questão desses atrasados "mas até agora nada". As empresas associadas ao Sinicon são as responsáveis pelas grandes obras de infra-estrutura, especialmente a construção de estradas e portos e nas áreas de energia, saneamento e irrigação.Além de quitar dívidas antigas, ele considera fundamental que a legislação do PPP seja feita por meio de projeto de lei aprovado pelo Congresso. "Uma medida provisória não daria garantia suficiente aos investidores", disse. O governo promete enviar nesta quinta-feira o PPP ao Congresso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.