Empresa aérea brasileira é multada nos EUA

Aerolinhas Brasileiras vai pagar US$ 21 milhões por ter combinado preços com outras duas empresas

Efe,

23 de janeiro de 2009 | 04h45

A empresa aérea Aerolinhas Brasileiras (ABSA) aceitou pagar multa milionária nos Estados Unidos após admitir que entrou em acordo com as firmas LAN, do Chile, e El Al, de Israel, para fixar preços na indústria de transporte de carga. O Departamento de Justiça dos EUA disse nesta quinta-feira, em comunicado, que LAN e ABSA pagarão US$ 109 milhões, enquanto a empresa israelense assumirá uma multa de US$ 15,7 milhões. Segundo o Departamento de Justiça, cada uma dessas empresas conspirou nos EUA e outros países para montar cartel de modo a eliminar a concorrência mediante uma manipulação das tarifas de carga aérea para clientes internacionais. A LAN e a ABSA fizeram, segundo o governo americano, manobras de manipulação de preços entre 2003 e 2006. "Os consumidores se viram obrigados a pagar mais como resultado de tarifas de embarque infladas e abusivas aplicadas por essas empresas", disse Scott Hammond, procurador-geral adjunto responsável pela divisão contra monopólios do Departamento de Justiça. Segundo o Departamento de Justiça, os executivos das três empresas aéreas se reuniram nos EUA e em outras partes para discutir e fixar as tarifas em violação da chamada Lei Sherman, que estabelece uma multa máxima de US$ 100 milhões para quem violá-la. Fontes da indústria aeronáutica comercial disseram que as três empresas também se comprometeram a colaborar com as investigações. A imprensa local diz que a LAN se comprometeu a pagar US$ 88 milhões em um prazo de cinco anos, enquanto a ABSA afirmou que utilizará o mesmo prazo para pagar os US$ 21 milhões que lhe correspondem do total da multa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.