Empresa anuncia a carne moída sem colesterol

Fruto de um programa de incubação de empresas do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Camaçari (BA), a Nutriway conseguiu, após quase três anos de preparação, a chamada Nutri Up, uma carne moída sem colesterol.Em comercialização em alguns supermercados de Salvador desde novembro do ano passado, o produto da microempresa baiana diferencia-se pelo fato de conter, para cada 50 gramas de carne, apenas 0,5 grama de gordura, comparada a 8,8 gramas encontradas em uma amostra de carne moída normal. Ao longo do período de criação da empresa, duas das sócias ? uma PHD em geobioquímica e a outra de engenheira química - desenvolveram o processo de obtenção do produto, que consiste em uma desidratação da carne, na qual se retira parte dos componentes nocivos à saúde, como hormônios e agrotóxicos. "O que o consumidor compra é praticamente apenas a proteína da carne", garante a engenheira química Maria Braid, sócia e consultora da empresa. "Para se ter uma idéia, 200 gramas de nosso produto contém a mesma quantidade de proteína animal que 400 gramas de carne moída tradicional."O preço sugerido para cada pote de 200 gramas é de R$ 9 a R$ 10. Maria destaca que o preço não é tão alto se considerado o valor do produto. A engenheira diz que o quilo da carne de avestruz, uma das que apresentam o menor teor de gordura, varia de R$ 60 a R$ 70. De acordo com a empresária, a Nutriway visa a atender, com o Nutri Up, não apenas o público que precisa reduzir a ingestão de gordura, por causa de problemas de saúde, como colesterol alto, mas também a crescente fatia da população que tem apresentado mais preocupação com a saúde e qualidade de vida. A intenção da companhia, cujo potencial produtivo é de 5 mil potes por mês, é ganhar os mercados de outros Estados até o segundo semestre do ano. A Nutriway tem apostado em parcerias com grandes supermercados, como o Bompreço, controlado pela Royal Ahold, e o Extra, do grupo Pão de Açúcar. "Nesta semana, por exemplo, o Extra da Bahia passará a vender nosso produto", diz. "Nossa idéia é chegar a outros mercados por meio desses canais". Maria diz que à medida que a demanda pelo Nutri Up for aumentando, a microempresa ? que desde 2002 é financiada pelo Banco do Nordeste ? buscará novas linhas de crédito para expandir a produção. "Ocupamos apenas um quarto de nossa capacidade instalada", afirma. "Além disso, temos espaço físico para expandirmos nossa produção para 20 mil potes por mês". Para dar conta de tal volume, a sócia da Nutriway avalia que será necessária a contratação de 30 funcionários. Hoje a empresa tem quatro sócios e quatro empregados. Segundo Maria, a médio prazo a Nutriway deve lançar novos produtos, já desenvolvidos sob o mesmo conceito ? sem colesterol. "Optamos por focar apenas um produto no lançamento da empresa", diz a consultora. "Depois que estivermos mais consolidados, entraremos com os outros projetos que já estão prontos para serem viabilizados". A companhia não informa os investimentos realizados até a fase do lançamento, tampouco as projeções de faturamento para os primeiros anos de atividade.Leia mais sobre o setor de Alimentos e Bebidas no AE Setorial, o serviço da Agência Estado voltado para o segmento empresarial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.