Empresa brasileira administrará parte de estrada no Panamá

A construtora brasileira Norberto Odebrecht recebeu nesta sexta-feira a autorização do Conselho de Gabinete panamenho para a construção, operação, manutenção e exploração do segundo lance de 41 quilômetros da estrada Panamá-Colón.Os membros do Conselho de Gabinete aprovaram a cessão parcial da concessão entre a empresa mexicana Projetos e Construções S.A. (PYCSA), que construiu o primeiro lance da estrada, e a construtoraBrasileira. A iniciativa é considerada pelo governo como de alto impacto econômico para a província de Colón.A autorização para a obra só foi possível após um longo processo de negociação, que culminou com o acordo para a transferência da concessão de maneira parcial à Odebrecht, segundo a informação. O presidente panamenho, Martín Torrijos, disse que este projetodará emprego direto e progressivo pelos próximos dois anos a 1,8 miltrabalhadores de Colón, a segunda maior cidade panamenha.O líder afirmou também que este projeto faz parte do programa de investimentos para a Costa Atlântica, que este ano alcança a quantiade US$ 150 milhões.Um dos benefícios da obra é a reabilitação da rodovia Transístmica, que se manterá como alternativa à estrada Panamá-Colón, sem custo algum para os motoristas. O projeto tem um custo de US$ 215 milhões, e de acordo com estimativas dos construtores, deve estar pronto em janeiro de 2009.O ministro de Obras Públicas panamenho, Benjamín Colamarco, indicou que a companhia brasileira trabalhará em um lance de 41 quilômetros, compreendio entre Madden e Cativá, que permitirá um fluxo do tráfego de veículos mais fluído entre as províncias de Panamá e Colón.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.