Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

‘Empresa brasileira vive cenário de pesadelo’, diz agência Fitch

Em relatório, agência de classificação de risco diz que risco econômico, político e fiscal deve levar empresas a grau especulativo

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2016 | 08h47

SÃO PAULO - Num relatório intitulado “Carnaval, válvula de escape para a tristeza”, a agência de classificação de risco Fitch Rating traça um cenário nebuloso para as empresas brasileiras. Na avaliação da agência, que retirou o grau de investimento do Brasil no fim do ano passado, a continuidade dos riscos econômicos, fiscais e políticos, aliada à recente baixa dos preços das commodities, deve levar o rating (nota) das empresas nacionais ao grau especulativo.

Na carteira brasileira, a Fitch atribuiu perspectiva negativa para 53% das empresas. Apenas 6% têm perspectiva positiva. “A combinação de demanda em queda, aumento do desemprego e inflação, taxas de juros altas, preços de commodities em baixa, volatilidade cambial e aperto no crédito criou um cenário de pesadelo para as empresas brasileiras.”

Segundo o relatório da agência, assinado por quatro analistas, o fluxo de caixa das companhias neste ano deve cair para níveis inferiores aos verificados na última década. A Fitch considera que apenas 19% das empresas emissoras de papéis, com ratings internacionais, têm forte capacidade de enfrentar os desafios de 2016 sem danos a seus perfis de crédito. 

Para a agência de rating - segunda a rebaixar o Brasil, depois da Standard & Poor’s -, com a queda da geração de caixa e alavancagem em alta, o risco de refinanciamento deve subir. “Apesar da pequena quantidade de títulos vencendo em 2016, será preciso sustentar posições de liquidez para arcar com as consideráveis dívidas com vencimento em 2017 e 2018.”

Nos últimos anos, a relação entre endividamento e fluxo de caixa das empresas brasileiras cresceu de forma expressiva, segundo a agência. Em 2011, a média era de 3,3 vezes; em 2014 subiu para 3,6 vezes; e em 2015 estava em 4,1 vezes. 

As maiores preocupações, segundo o relatório, são os setores com alto risco de crédito, como as empresas aéreas, de açúcar e etanol e de construção. “Também há receio quanto aos segmentos de siderurgia e mineração por causa do baixo preço do ferro e às empresas de médio porte no setor de consumo devido às limitadas alternativas de captação e à falta de liquidez.”

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilFitchEconomiaRecessão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.