Empresa de JC com Daniel Dantas fará IPO

As descobertas recentes de jazidas transformaram João Carlos Cavalcanti, JC, numa figura mais conhecida no mundo financeiro. O banqueiro Daniel Dantas, do Opportunity, foi atraído pela relativa fama do geólogo. Desde o fim do ano passado são sócios na GME4. Os dois, baianos e igualmente polêmicos, querem transformar a empresa em uma das grandes empresas de prospecção e exploração mineral em até dez anos.Eles contrataram o banco Credit Suisse para preparar a oferta inicial de ações (IPO), programada para o fim deste ano. "Inicialmente, vamos vender entre 20% a 30% dos ativos numa colocação privada de ações. Depois vamos para o IPO. A GME4 vai captar entre R$ 2 bilhões e R$ 3 bilhões", acredita o geólogo. "Eu não vendo a minha parte (22,3%) por menos de US$ 500 milhões. Vou ganhar mais dinheiro com a GME4 do que com a mina de Caetité."A GME4 já tem um banco de jazidas considerável. São 1.250 áreas requeridas no Ministério das Minas e Energia. As descobertas de níquel, cobre, zinco, alumínio e minerais ferrosos foram feitas pelo próprio JC, pela equipe de 70 geólogos da GME4 e por outros "exploradores" (geólogos ou não) que venderam minas para a empresa. A empresa ainda não tem receita, apenas despesa. De acordo com JC, ela investiu US$ 20 milhões em pesquisa no ano passado e vai repetir o número neste ano. "É igual ou superior ao investimento que a BHP está fazendo em pesquisa na China, Mongólia e América do Norte", diz JC.A GME4 é apenas um dos negócios de JC. Ele quer investir em hotelaria e táxi aéreo. O geólogo também criou um fundo, o Four Seasons, para administrar a sua fortuna. "Se eu entregar para um banco, eles vão me roubar. No futuro quero ter um banco de investimento. Mas não vai ser igual ao de Daniel, não."

Patrícia Cançado, O Estadao de S.Paulo

16 de junho de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.