Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Empresa enfeita 109 shoppings no Brasil apesar da crise

A instabilidade do dólar assustou,mas não pegou desprevenida a maior empresa de decoração natalinada América Latina, a Cipolatti, que desde o mês passado trabalhaem ritmo acelerado para enfeitar o Natal de 109 shoppings noPaís e mais uma dezena de outros no Chile, Argentina, Uruguai eMéxico. "A cada ano procuramos depender menos de importadospara produzir mais na nossa fábrica", diz Conceição Cipolatti,que há 21 anos entrou por acaso neste mercado - ela decoravabuffets - e hoje comanda, com os filhos Luiz Paulo, JoséFernando, Ana Cecília e Rita Gabriela uma fábrica de 22 milmetros quadrados em Taboão da Serra (Grande São Paulo). Cerca de 40% dos enfeites produzidos nesta fábrica sãofeitos com matéria-prima importada e alguns itens, como bonecosanimatrônicos e microlâmpadas, só podem ser adquiridos noexterior. Mas grande parte das importações foi negociada antesda alta do dólar e a empresa tem feito o possível para ampliar oestoque de produtos nacionais. "Não importamos mais fitas,árvores, guirlandas, bolas e festões", diz Conceição. Os repasses dos custos dos importados devem ser feitosaos clientes aos poucos, diz Conceição, que não gosta de falarem números, mas dá a entender que o negócio tem fôlego paracrescer. Este ano a Cipolatti começou a decorar shoppings noMéxico e já está de olho no mercado europeu. "Estamos numnamoro com Portugal", conta. O alvo do negócio é o Grupo Sonae,de origem portuguesa, que inaugurou recentemente o megashoppingD. Pedro, na região de Campinas, decorado este ano, é claro,pela Cipolatti. A empresária não revela seu faturamento e informa apenasque ele deve ser este ano 5% superior ao resultado obtido no anopassado. Além dos shoppings, a empresa já deixou sua marcaregistrada nas decorações de prédios como o Teatro Municipal, nocentro da cidade e o BankBoston, na Avenida Paulista, e este anoserá a responsável pela decoração da Rua Oscar Freire, nosJardins. A maior parte dos enfeites utilizados nas decoraçõessai da fábrica de Taboão, onde trabalham cerca de 200funcionários fixos, entre arquitetos, engenheiros, cenógrafos,artistas plásticos, artesãos, costureiras, serralheiros,marceneiros e aderecistas. No segundo semestre, quando ospreparativos se intensificam e os contratos temporários crescem,a empresa chega a trabalhar com 2 mil pessoas. Os números chamam a atenção pelas dimensões dosprojetos. Este ano, por exemplo, estão saindo desta "fábricanatalina" 3,3 milhões de enfeites, 40 milhões de microlâmpadas,11,5 milhões de bolas natalinas, 220 quilômetros de festões e 11toneladas de manta acrílica para "neve", entre outrosmateriais para decoração de shoppings e de fachadas de prédios.LuzesOs contratos dos shoppings e outros clientespara as decorações de fim de ano são fechados em geral entremarço e maio. "Temos cerca de 200 temas para serem alugados",diz Conceição. O custo para preparar um shopping para o Natal,explica, é muito variado e depende do seu porte. Mas em média ogasto de uma decoração interna pode ir de R$ 10 mil a R$ 250mil. Este ano, mais de 10% das decorações que a empresa vaimontar são de fachadas, e os shoppings tendem a reforçar mais aárea externa justamente para chamar a atenção do consumidor eaumentar a circulação do público no local. Ela cita o MorumbiShopping como um dos que investiram na decoração externa aomontar um teatro de soldadinhos em um palco forrado demicrolâmpadas. Outro é o Aricanduva, que colocou 5 milhões demicrolâmpadas em sua fachada. O shopping Anália Franco tem emsua entrada uma árvore de 26 metros cravejada de microlâmpadasestroboscópicas. Só em São Paulo (capital e interior) são 44shoppings decorados pela Cipolatti. "A tendência em geral, este ano, foi investir num Natalmais iluminado para compensar a frustração do ano passado com oracionamento", diz a diretora da empresa. Além das luzes, asdecorações seguem hábitos culturais, conforme a região do País."No Nordeste os shoppings aceitam sugestões arrojadas, mas opresépio nunca pode faltar. Já no Sul as decorações tendem a sermais tradicionais e imitam o Natal europeu, com casinhas, renase trenós."Veja a galeria de fotos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.