Empresa indiana negocia compra do estúdio MGM por US$ 2 bi

Companhia americana tem dívidas de US$ 4 bi e pode ir parar nas mãos dos credores

Dow Jones e Agência Estado,

19 de setembro de 2010 | 19h04

O conglomerado indiano Sahara India Pariwar está em negociações para adquirir o combalido estúdio Metro-Goldwyn-Mayer (MGM), dos Estados Unidos, por mais de US$ 2 bilhões, disse uma fonte familiarizada com o assunto. As discussões ocorrem enquanto os credores se preparam para tomar a MGM no próximo mês, como parte de um processo de concordata, e deixar a direção do estúdio à Spyglass Entertainment, co-chefiada por Gary Barber e Roger Birnbaum.

A MGM deve cerca de US$ 4 bilhões aos credores e recentemente obteve uma sétima suspensão do pagamento das dívidas até o dia 29 de outubro, informa o Wall Street Journal.

A MGM não quis comentar as informações. Um representante da Sahara disse: "Mantemos discussões de interesse mútuo, mas é muito cedo para comentar o assunto".

Uma fonte que tem conhecimento das negociações alertou que elas estão em um estágio inicial e que a MGM e seus acionistas ainda não mostraram um interesse substancial em fazer um acordo com a Sahara. A dívida da MGM está em grande parte sob o poder dos fundos de hedge, que obtiveram uma valorização de ao redor US$ 2,4 bilhões após terem comprado os papéis. A Sahara precisaria superar esse valor para atrair um interesse substancial dos credores, que têm grande poder em dizer como a MGM é reestruturada.

Nos últimos meses, os credores da MGM trabalharam um acordo com a Spyglass. Barber e Birnbaum, da Spyglass, assinaram uma carta de intenções para gerir a MGM quando o estúdio deixar a concordata, disseram outras fontes familiarizadas com a questão. A MGM detém os direitos sobre os filmes de James Bond. O estúdio se colocou à venda no ano passado, mas atraiu pouco interesse. A Time Warner Inc. fez uma oferta de US$ 1,5 pelo estúdio mas ela foi considerada muito baixa pelos credores. As informações são da Dow Jones.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.