Empresa japonesa vítima do subprime pede concordata

Seguradora de vida Yamato Life possui dívidas de US$ 2,7 bi provocadas pela queda de valor de suas ações

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

10 de outubro de 2008 | 07h55

A seguradora de vida Yamato Life Insurance tornou-se nesta sexta-feira, 10, a primeira companhia de serviços financeiros do Japão a sucumbir a turbulência nos mercados, iniciada com a crise das hipotecas de segunda linha (subprime). A companhia japonesa entrou com perdido de concordata, com dívidas de cerca de US$ 2,7 bilhões, que segundo a empresa, foram provocadas pela queda de valor de suas ações.   Veja também: Bush receberá ministros do G7 na Casa Branca Como o mundo reage à crise  Reino Unido congela ativos do banco islandês Landsbanki FMI age para garantir crédito a emergentes Confira as medidas já anunciadas pelo BC contra a crise Entenda a disparada do dólar e seus efeitos Especialistas dão dicas de como agir no meio da crise A cronologia da crise financeira  Veja como a crise econômica já afetou o Brasil O governo do Japão e outros funcionários públicos movimentaram-se rapidamente para assegurar que o fechamento da pequena seguradora não listada na Bolsa japonesa, 33ª colocada em termos de ativos, ficasse isolado, com o órgão regulador financeiro do país atribuindo o colapso a uma "inadequada administração de riscos". Outras seguradoras não estão na mesma situação, disseram fontes do governo, e o sistema financeiro do país permanece estável, com os bancos japoneses tendo até agora evitado a contaminação dos problemas relacionados ao subprime. A Yamato Life Insurance disse que os preços de títulos, sustentados por intenções de investimentos, apresentaram forte queda diante da crise financeira, provocando um inesperado prejuízo de 11,04 bilhões de ienes no primeiro semestre do ano fiscal, encerrado em setembro deste ano. O fechamento da Yamato, a quinta maior falência corporativa do Japão este ano, ocorre ao mesmo tempo que o Sumitomo Trust & Banking torna-se a última instituição financeira, em uma série de pequenos bancos, a cortar previsões de lucros diante da turbulência financeira mundial. Em conferência a jornalistas, o ministro da Economia do Japão, Kaoru Yosano, observou que o sistema financeiro japonês permanece saudável. "O colapso da Yamato Life é um caso especial e (foi) provocado por suas próprias falhas (...) O sistema financeiro do Japão é estável", disse o ministro."As instituições financeiras japonesas têm capital suficiente e suas perdas no subprime são limitadas. O sistema financeiro japonês não é afetado pelos problemas relacionados ao subprime", afirmou Yosano. "Meu entendimento é que a maioria das companhias de seguro de vida do país é mais saudável do que a Yamato."Enquanto isso, a Agência de Serviços Financeiros (órgão regulador do setor financeiro no país) disse que o ministro falhou ao gerenciar os riscos dos investimentos, e que outras seguradoras estão com o mesmo problema. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãosubprime

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.