Reprodução
Reprodução

Empresa lança franquia para instalação de painéis solares

Casaleve, ex-SolarGrid, que ampliar presença no varejo, em especial entre os clientes da classe média

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

01 Setembro 2015 | 02h04

Em operação há pouco mais de seis meses, a SolarGrid - empresa de geração distribuída de energia solar - quer ampliar sua participação entre os consumidores da classe média. A estratégia de aproximação com o varejo inclui não só a mudança de nome como o aumento dos serviços oferecidos pela companhia. A partir de hoje, a empresa passa a se chamar Casaleve, terá um sistema de franquia para atender o Brasil inteiro e vai oferecer serviço de consultoria.

"O objetivo é entrar na casa das pessoas e mostrar como funciona o sistema de energia elétrica e como ela pode reduzir - ou melhorar - seu consumo", afirma o sócio da empresa, Diogo Zaverucha. Ele conta que a Casaleve vai oferecer um serviço de excelência energética para os clientes baseado na mudança de hábitos de consumo, na instalação de medidores inteligentes e na troca de equipamentos antigos por outros mais eficientes. "Primeiro vamos entender o padrão de consumo e depois ver o que fazer."

Desde a inauguração no início do ano, a empresa já concluiu projetos para mais de 100 clientes, em que o ticket médio está em torno de R$ 50 mil. Hoje, diz o executivo, 70% dos clientes é da classe alta e 30% da classe média. "Temos clientes que chegam até nós em busca de redução de consumo e outros que procuram transformar suas residências em casas sustentáveis, e que no final também terá a redução de consumo", diz Zaverucha.

Criada por ex-sócios da XP Investimentos, a empresa se inspirou no modelo de crescimento da corretora para ampliar os negócios. Junto com a mudança de nome, a Casaleve também terá um sistema de franquia para elevar o volume de instalações de painéis solares.

O franqueado vai vender e fazer a instalação. O restante fica por conta da Casaleve, que fará a importação dos equipamentos, a logística dos materiais e a homologação dos microgeradores - qualquer projeto de energia solar precisa ser comunicado à distribuidora local.

Os interessados terão de passar um tempo no escritório modelo da empresa, no Rio de Janeiro, para vivenciar todas as etapas do processo de instalação dos painéis solares. Por enquanto, as condições serão negociadas caso a caso. Os franqueados também terão a opção de adquirir o chamado solartruck - uma espécie de furgão que simula uma sala de estar e mostra como funciona o sistema elétrico baseado em painéis solares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.