Sequoia/Divulgação
Sequoia/Divulgação

Empresa que faz entregas para grandes varejistas, Sequoia dobra de valor após IPO e busca aquisições

Companhia, que abriu capital em outubro, cresce lado a lado com o comércio eletrônico, mesmo sem ter sua marca vista no dia a dia, e quer atrair investidor pessoa física para sua base de acionistas

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2021 | 11h04

Crescendo lado a lado com o comércio eletrônico, mas fora do olhar do grande público, a empresa de logística Sequoia praticamente dobrou de tamanho em 2020, quando a pandemia acelerou a digitalização do brasileiro, que passou, cada vez mais, a receber suas compras em casa. Mirando a expansão, com muito apetite em aquisições, há, neste momento, mais oito ativos sendo analisados na mesa, um ritmo acelerado que foi possível com o dinheiro no caixa após a oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).  

O desempenho da Sequoia, especializada em atender o e-commerce de grandes empresas, como Magazine Luiza, Mercado Livre e Amazon, tem chamado atenção de investidores e se reflete no preço da ação, que acumula alta de 126% desde outubro do ano passado, mês em que abriu seu capital. Com pressa e com apoio das ações em alta, a companhia acaba de anunciar que poderá realizar uma nova oferta e que já tem bancos contratados, conforme informou na noite de terça-feira, 23.

O diretor financeiro da Sequoia, Fernando Stucchi, disse que um dos desafios da empresa tem sido atrair mais pessoas físicas para sua base de acionistas, grupo que cresce a cada dia na Bolsa brasileira, impelido pelo juro baixo e busca por rentabilidade. 

“Estamos trabalhando para a construção da marca Sequoia para o mercado, para se tornar mais conhecida. Semanalmente estamos com reuniões com bancos, plataformas e falado com gestoras”, disse. Com o desafio de ser conhecido por um público mesmo não tendo sua marca vista no dia a dia, como ocorre como uma empresa de varejo, por exemplo, aos poucos o trabalho vem rendendo frutos. De mil pessoas físicas investidoras da companhia no IPO, o número está hoje em 7 mil.

Essa atração de mais investidores também se dará pelo crescimento que vem sendo reportado trimestre a trimestre, acredita o executivo. Apenas em 2020, o faturamento saltou 89%, encostando no marco de R$ 1 bilhão. A quantidade de pedidos no ano subiu 57%, para 41,3 milhões. “Sequoia é uma plataforma logística desenvolvida para oferecer soluções para a entrega expressa no mercado. Embora recente, agregou diferentes tipos de soluções logísticas que resultaram no alto posicionamento competitivo que a empresa possui hoje”, disseram os analistas do BTG Pactual Lucas Marquiori e Fernanda Recchia, em relatório.

A Sequoia saiu do IPO com uma promessa de realizar 12 aquisições. Em pouco espaço de tempo, quatro já foram feitas: a Direcional e a Prime, focadas no segmento de e-commerce de produtos grandes, a logtech Frenet e, nesta semana, a Plimor, a décima aquisição desde a fundação da Sequoia, em 2010.

Segundo Stucchi, das compras de ativos previstas, duas já estão em fase de "due dilligence", que é a análise do ativo, que precede a aquisição. “O crescimento inorgânico por meio de M&A (fusões e aquisições) é uma vertical importante de crescimento. E essa via também ajuda a expansão orgânica, com a chegada de novos clientes”, explica o executivo. 

Quando anunciou a oferta pública de ações na B3, a Bolsa de São Paulo, a Sequoia informou que usaria metade do valor captado (R$ 1 bilhão) em aquisições e caminha para cumprir o prometido.

Dentre as oportunidades está também contemplado o setor de tecnologia, visto que, cada vez mais a empresa se torna uma companhia mais “tech”, comenta o executivo. Com isso, a empresa começa agora a fazer um novo movimento, de ir atrás de startups para aquisições. “No mercado tem crescido cada vez mais o número de startups que complementam nossa cadeias de alvo de aquisições”, diz Stucchi. 

Antes do IPO, o ritmo de aquisições era outro. A empresa já tinha comprado a TexLog e a Nowlog, ambas em 2018, e a Transportadora Americana (TA), em 2020, além de outras três antes dessas. “O IPO acelerou esse processo”, comenta.

“Acreditamos que a Sequoia ainda tem espaço para continuar consolidando o setor por meio de aquisições cumulativas. Nos últimos dez anos, a Sequoia fez sete aquisições que permitiram à empresa diversificar sua carteira de clientes e expandir sua presença geográfica e ofertas de serviços no Brasil”, afirmaram os analistas do Santander Lucas Barbosa e Rubén López Romero, em relatório recente.

As oportunidades no mercado para aquisição, segundo o diretor financeiro da empresa de logística são inúmeras, dado que esse mercado ainda é muito pulverizado, o que abre espaço para um amplo movimento de consolidação. Para se ter uma ideia, os 30 principais players têm entre 10% e 12% de participação do mercado, o que deixa clara a pulverização. “A ideia é continuar melhorando o serviço ao cliente final. Antes, a preocupação era preço (de entrega), agora é o tempo. Quando o tempo de entrega deixar de ser um diferencial, o preço voltará ao foco”, diz o executivo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.