Empresa se rende ao software livre

Laboratório da Microsoft cria sistemas para Windows trabalhar com Linux

Renato Cruz, O Estadao de S.Paulo

03 de maio de 2008 | 00h00

O laboratório da Microsoft no Instituto de Computação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) trabalha com software livre e desenvolve sistemas para permitir que o Windows trabalhe com o Linux. O mais recente, chamado interop router, tem como objetivo fazer com que clusters (grupo de computadores que trabalham em conjunto) funcionem de forma integrada nos dois sistemas. "Tudo começou em 2002, com uma doação da Microsoft dos Estados Unidos", diz o professor Sandro Rigo, responsável pelo projeto. "Em agosto de 2006, fechamos um acordo com a Microsoft Brasil, e criamos o laboratório."O Linux é hoje o principal concorrente do Windows, que domina o mercado de sistemas operacionais. Trata-se de um software livre que pode ser usado, copiado e modificado sem pagamento de licenças. Muitos dos desenvolvedores do Linux trabalham sem receber nada por isso, pelo objetivo de ter um software melhor para usarem. O Windows, que tem código fechado e cobra pelas licenças, está em 97% dos computadores das empresas brasileiras, segundo pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV). Ou seja, a participação do Linux é muito pequena. Nos servidores, porém, a situação é outra. O Windows tem 65% e o Linux, 17%.Esse cenário explica por que é importante para a Microsoft se aproximar da comunidade de software livre. Primeiro, por uma questão de imagem da empresa. Segundo, por uma questão de mercado, pelo fato de várias empresas já terem servidores com Windows e com Linux. Terceiro, porque é importante conhecer o concorrente. O laboratório da Unicamp tem quatro bolsistas financiados pela Microsoft. São alunos de engenharia da computação. laboratório já desenvolveu um software de autenticação cruzada. Serve para que empresas com vários servidores, em Windows e Linux, possam oferecer a seus usuários um nome e uma senha unificados, que sirvam para todos os programas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.