bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Empresa se reuniu com entidades pró-desarmamento

O Facebook começou a se mexer contra negociações de armas em seu site depois de conversar com os grupos pró-desarmamento durante um ano.

O Estado de S.Paulo

07 de março de 2014 | 02h07

Entre eles, estão Sandy Hook Promise, Moms Demand Action for Gun Sense in America, Mayors Against Illegal Guns (do ex-prefeito de Nova York Michael Bloomberg), Americans for Responsible Solutions e o grupo Brady.

Bloomberg disse: "Estamos gratos ao Facebook que está examinando as informações e se adaptando para que armas não caiam nas mãos de menores, criminosos e pessoas perigosas."

Há muitos interesses em jogo. O grupo Moms Demand Action recebeu 225 mil assinaturas em uma petição que pedia mais repressão a vendas ilegais de armas. Mas a associação armamentista NRA tentou enquadrar suas demandas como um problema de liberdade de expressão.

Siva Vaidhyanathan, professor de estudos sobre mídia da Universidade de Virginia, disse que o Facebook está "entrando em sua adolescência ao enfrentar todos esses desafios morais e políticos em relação ao que deve filtrar e a que normas aplicar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.