Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Empresa vai abrir farmácias em postos

O processo de expansão da Extrafarma deve seguir o movimento da Ultrapar no mercado de postos de combustíveis. Após adquirir a rede Ipiranga, a Ultrapar comprou a rede Texaco e outras bandeiras menores. Hoje, a Ipiranga possui mais de 6 mil postos, número que deve ajudar o processo de aceleração do crescimento da Extrafarma.

O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2013 | 02h13

N a visão do presidente da Ultrapar, Thilo Mannhardt, um dos pontos cruciais para o mercado de redes farmacêuticas é justamente a localização e disponibilidade de pontos de venda. A Ultrapar, além da Ipiranga, possui pontos de revenda da marca Ultragaz, o que resulta em uma rede com cerca de 10 mil endereços.

Na Ipiranga, principal ativo da holding, o crescimento tem sido acelerado, com a abertura média de mais de 400 postos por ano. A rede também tem ampliado o número de franquias instaladas junto aos postos, casos da am/pm e da Jet Oil, por exemplo. A ideia, segundo fontes do setor, é que os postos Ipiranga se tornem "minishoppings". Desta forma, um negócio passa a alimentar o outro.

Outros negócios. Além do crescimento orgânico, a Ultrapar deixa claro que está atenta a qualquer oportunidade no mercado. Hoje, porém, o crescimento tem se dado principalmente a partir do embandeiramento dos postos conhecidos como bandeira branca, os quais não estão vinculados a nenhuma grande rede do País.

Além das duas áreas, a Ultrapar também permanece atenta a possibilidades no mercado químico, onde atua a partir da Oxiteno, e no segmento de armazenamento, com a Ultracargo. Neste caso, é importante destacar que o governo federal tem adotado uma série de medidas para estimular investimentos em portos.

A Ultrapar ainda possui uma sexta área de atuação, em parceria com a Odebrecht. A ConectCar, empresa de pagamento eletrônico do grupo, deve atingir a marca de 100 mil clientes ativos nos próximos meses, segundo Covre.

Agora, ao mesmo tempo em que busca ampliar o mercado em São Paulo, onde iniciou as operações, a ConectCar também avalia questões técnicas para expandir o serviço nacionalmente. / A.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.