Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Empresa vai alertar para riscos do brinquedo Bindeez

A empresa Long Jump, responsável pela importação e comercialização no Brasil do brinquedo Bindeez, suspeito de conter substância tóxica semelhante à droga sintética ecstasy, informou hoje ao Ministério da Justiça que fará um "recall" (recolhimento) do produto. A coordenadora-geral de Assuntos Jurídicos do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, Maria Beatriz Corrêa Salles, disse hoje que, primeiro, a empresa publicará um alerta à população nas emissoras de rádio e televisão e na mídia escrita sobre eventuais riscos do produto para a saúde e pedirá que o Bindeez seja mantido longe do alcance das crianças. A campanha de alerta da empresa deverá começar na próxima quarta-feira. A Long Jump informou ao DPDC que enviou, no dia 8, exemplares do produto ao Instituto Nacional de Metrologia, Normatização e Qualidade Industrial (Inmetro) para uma análise específica. Essa análise, segundo a coordenadora-geral, vai durar 15 dias e, se for comprovado risco para a saúde das crianças, a empresa fará o recolhimento dos brinquedos vendidos. A Long Jump foi intimada pelo DPDC, na quinta-feira passada, a comparecer ao ministério. Representantes da empresa disseram hoje às autoridades da Justiça que o lote de Bindeez trazido para o Brasil é diferente dos lotes fornecidos aos Estados Unidos e Austrália, nos quais foi identificada substância similar ao GHB (ácido Gama-Hidroxibutírico), conhecido como "ecstasy líquido", que causa problemas respiratórios e confusão mental e pode matar. O DPDC disse não dispor da informação sobre o total de Bindeez vendidos no Brasil. Segundo a empresa Long Jump, os brinquedos das prateleiras das lojas já começaram a ser recolhidos. Maria Beatriz informou que o DPDC abriu averiguação preliminar que pode resultar em processo administrativo. Se ficar comprovado que a empresa violou o Código de Defesa do Consumidor, poderá ser multada em até cerca de R$ 3 milhões.

GERUSA MARQUES, Agencia Estado

12 de novembro de 2007 | 19h30

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.