Empresa vê negócio nas notificações das redes sociais

Depois que o governo proibiu concursos culturais nas

O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2014 | 02h04

redes sociais, em 2013, Gustavo Cury viu seu negócio morrer

da noite para o dia. Ele representava no Brasil uma empresa

americana que fazia justamente isso. "Aí pensei: ou fazemos

algo diferente ou procuramos emprego." Foram as notificações "bobas" do jogo de trincas

Candy Crush que lhe deram

uma ideia: por que não fazer

um sistema de notificações

realmente útil? Cury, então,

lançou em janeiro deste ano

uma ferramenta que dispara

notificações via Facebook.

A ideia, no entanto,

é se distanciar do "spam".

No caso da Multiplus, que

é um de seus clientes, as notificações são de promoções de trechos aéreos que o usuário

informa ter interesse. A tecnologia funciona também em outras redes sociais, o que garante

a Cury uma certa segurança,

caso o Facebook saia de moda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.