Empresário critica concentração

O empresário Boris Gorentzvaig, dono da Petroplastic e fundador da Triunfo, criticou o movimento de concentração na indústria petroquímica. Para ele, se a fusão entre Braskem e Quattor for à frente, a concorrência simplesmente desaparece do mercado brasileiro. "A Petrobrás já tem o monopólio da exploração do petróleo, e agora a Braskem passará a ter o monopólio da indústria petroquímica", disse. Gorentzvaig, que trava uma briga na Justiça contra a incorporação da Petroquímica Triunfo pela Braskem, criticou a estratégia do governo e das duas empresas de defender a concentração, e lembra que o setor petroquímico poderia atrair muitos investidores estrangeiros, como se costuma ver em outros grandes mercados, como o americano. Na análise dele, "o monopólio é um sistema característico de países com economia estatal ou de capitalismo muito ultrapassado, portanto, não cabe em um país como o Brasil."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.