finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Empresário da indústria está mais confiante, apura FGV

A confiança dos empresários do ramo industrial cresceu este mês. A Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta que o Índice de Confiança da Indústria (ICI), indicador-síntese da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação, subiu 0,1% em agosto ante julho. No mês passado, o indicador registrou alta de 2,9% frente a junho. Para a FGV, esse resultado é considerado uma estabilidade no período. "O resultado revela que a indústria de transformação continua aquecida e com boas perspectivas para os últimos meses do ano", segundo a fundação. O ICI é um índice que usa para cálculo uma escala que vai de 0 a 200 pontos, sendo que o resultado do indicador é de queda ou de elevação se a pontuação total das respostas fica abaixo ou acima de 100 pontos, respectivamente. A Sondagem da Indústria Nacional de Transformação realizou a coleta de dados entre os dias 1º a 28 de agosto.De julho para agosto, o ICC avançou de 121,7 pontos para 121,8 pontos. Os resultados dos dois meses foram muito parecidos, mas a pontuação de agosto bateu o recorte atingido no mês passado, quando atingiu o mais elevado patamar da série histórica do indicador, iniciado em abril de 1995. Essa é a décima primeira edição do índice, calculado com base em seis quesitos da sondagem. Na comparação com agosto do ano passado, o ICI avançou 14,2%, em igual mês de 2007 - resultado inferior à de alta de 15,8% em julho, na mesma base de comparação.ComposiçãoO ICI é composto por dois indicadores. O primeiro é o Índice da Situação Atual (ISA), que apresentou variação zero no mês passado em relação a julho, na comparação com a alta de 0,7% em julho ante junho, permanecendo com 123,7 pontos, de julho para agosto. O segundo componente do ICI é o Índice de Expectativas, que subiu de 0,3% em agosto em relação ao mês anterior, frente ao aumento de 5,3% em julho ante junho. Com esse resultado, o indicador avançou de 120 pontos para 120,3 pontos, entre julho e agosto, atingindo o maior nível da série histórica. Na comparação com agosto do ano passado, houve altas respectivas de 16,4% e de 11,9%, no Índice de Situação Atual e no Índice de Expectativas.EstoquesEm sua análise do cenário de agosto, a FGV esclareceu que, dos quesitos integrantes do índice de confiança relacionados ao presente, o destaque foi a avaliação a respeito dos estoques. "Entre agosto de 2006 e agosto de 2007, a parcela de empresas que avaliam o nível de estoques como insuficiente aumentou de 4% para 7%; a proporção das que o avaliam como excessivo reduziu-se de 12% para 6%. Esta é a primeira vez, desde abril de 1995, em que a proporção de empresas com estoques insuficientes supera a de empresas com estoques excessivos", detalhou a fundação, em comunicado. No âmbito do Índice de Expectativas, a FGV informou que a maior evolução ocorreu nas previsões relativas à produção: das 1.095 empresas consultadas, 50% prevêem elevação da produção nos próximos três meses e apenas 4%, redução. Em agosto de 2006, estas parcelas eram, respectivamente, de 39% e 13%.

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

30 de agosto de 2007 | 09h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.