Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Empresários brasileiros estão menos otimistas que os europeus

Do segundo para o terceiro trimestre, 71% dos executivos ficaram menos otimistas, releva pesquisa da FGV

LUIZ GUILHERME GERBELLI, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2013 | 02h10

O otimismo dos executivos brasileiros em relação ao futuro da economia chegou ao nível mais baixo desde o terceiro trimestre do ano passado, quando teve início a pesquisa Panorama Global de Negócios. Na escala de 0 a 100, o otimismo ficou em 54,7, abaixo do verificado no segundo trimestre (61,4).

O estudo foi conduzido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), Duke University e CFO Magazine. O levantamento consultou 1.212 diretores financeiros (CFOs) de todo mundo, sendo 246 da América Latina, e 90 brasileiros.

O resultado deixou o Brasil abaixo da maioria dos países da América Latina, da Europa e dos Estados Unidos. "Essa pesquisa costuma antecipar o que vem pela frente. Eu não ficaria surpreso se a performance nesse trimestre for pior do que a esperada a julgar pela queda acentuada do índice", afirma Antonio Gledson de Carvalho, professor da FGV e codiretor da pesquisa. O estudo também tem a participação do professor Klenio Barbosa. "A previsão do governo não é muito boa com relação a este trimestre. A queda do otimismo vem num momento em que as empresas começam a receber ordens de compra dos clientes e a produzir para o fim de ano. Me deixa apreensivo esse baixo resultado", diz Carvalho.

O aumento da desconfiança em relação ao futuro também fica evidente em outro indicador apurado pelo levantamento: 71% dos executivos estão menos otimistas do que estavam há três meses, enquanto apenas 8% se dizem mais otimistas.

Negócios. O menor grau de aposta na economia corrói a expectativa de resultado das empresas. Os CFOs apontaram um menor crescimento tanto dos lucros como das receitas. A estimativa de avanço no lucro recuou de 19,7% da última pesquisa para 14,4%, e a previsão de aumento das receitas é de 7,8% ante 14,9%.

A maior incerteza em relação ao futuro das empresas fez crescer a disposição pela contratação de temporários. Segundo os executivos, o emprego temporário deve crescer 5,3% nos próximos 12 meses. Em junho, esse índice era de 2,1%, e em março, 1,8%. Nos levantamentos realizados no ano passado, havia uma tendência de queda dos temporários.

Há dois grandes motivos apontados pelas empresas para o atual aumento da contratação de temporários. Para 47% das companhias, a vantagem dos temporários é o salário mais baixos, e 27% justificam a necessidade desse grupo de profissionais por causa das incertezas econômicas. "Dizer que o temporário é mais barato também está relacionado com uma incerteza", afirma Carvalho.

Juros. O levantamento também mostra que os CFOs acreditam que o aperto monetário deve continuar até o fim do ano - na reunião de agosto, o Banco Central elevou a taxa básica de juros (Selic) em 0,50 ponto porcentual, para 9% ao ano.

De acordo com a pesquisa da FGV, 80% dos entrevistados esperam um aumento na taxa de juros até o fim do ano. E 69% apostam numa alta de, no mínimo, 1 ponto porcentual. Se essa magnitude for confirmada, 6% das empresas reduziriam o investimento de capital, e 17% diminuíram o emprego.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.