carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Empresas adotam nota fiscal eletrônica mesmo sem precisar

Pequenas empresas acabam tendo de se adaptar por questão de mercado

Marianna Aragão, O Estadao de S.Paulo

16 de dezembro de 2008 | 00h00

No início deste mês, a nota fiscal eletrônica (NF-e) tornou-se obrigatória para empresas de nove segmentos como bebidas, medicamentos e frigoríficos. A substituição da nota fiscal em papel por um documento eletrônico, porém, tem ocorrido desde abril, com a inclusão gradativa de grupos de setores no novo sistema da Receita Federal. Até agosto do ano que vem, companhias de outras 79 atividades terão de se adequar à exigência.Micro e pequenas empresas (MPEs) não ficam de fora. "Se o seu setor for incluído, ela tem de aderir, independentemente do tamanho", diz Carlos Sussumu, da coordenação de fiscalização da Receita Federal. Pequenos negócios têm aderido espontaneamente à medida, em uma reação em cadeia. "O elo principal acaba forçando seus fornecedores e clientes a entrar no sistema, para facilitar as transações. É um processo natural", afirma o consultor José Othon de Almeida, da Deloitte. A situação tem ocorrido com alguns dos setores incluídos até agora - fabricantes de bebidas, cimento, cigarros e automóveis, entre outros -, formados, em sua maioria, por gigantes, mas que têm as MPEs entre seus parceiros de negócios.A Companhia Müller de Bebidas, fabricante da Cachaça 51, passou a emitir a NF-e este mês. Desde o início do ano, porém, tem estimulado seus clientes a implantar o sistema o quanto antes - pelo cronograma da Receita, os distribuidores e comerciantes de bebidas só precisariam aderir em abril do ano que vem. A Müller fornece para cerca de 1 milhão de pontos-de-venda no País."Muitos desses empresários nem sabiam sobre a mudança", diz o diretor-superintendente da empresa, Ricardo Gonçalves. Segundo ele, sem informação, algumas não conseguiriam implantar a tempo as mudanças em seus sistemas. "Sem a NF-e, o revendedor não consegue fazer o faturamento e, conseqüentemente, não vai receber formalmente a mercadoria. Isso travaria as operações."A adaptação ao novo mecanismo passa por mudanças nos sistemas contábeis e de informática e a compra de equipamentos para armazenar os dados pode ser necessária. "Para as MPEs, que funcionam com o caixa e orçamento apertados, os custos dessas mudanças trazem grande impacto", diz a consultora de políticas públicas do Sebrae, Helena Rego."O pequeno empresário tem milhões de preocupações e acaba deixando para a última hora", destaca o diretor de planejamento tributário da RCS Consultoria, Alberto Brumatti Júnior. Para amenizar o impacto nos custos das MPEs, explica Brumatti, o empreendedor pode optar pelo software gratuito, disponibilizado pela Receita Federal em seu site. "Porém, é um programa simples e não permite integração com outros departamentos da companhia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.