Empresas anunciam novos títulos de capitalização

Os títulos de capitalização surgiram no País em 1929 e, desde então, tiveram altos e baixos - chegaram quase a minguar com a inflação alta. Desde 1994, experimentam fase de ascensão e, além da economia favorável, uma boa dose de criatividade tem ajudado as seguradoras a reconquistarem o mercado. Este ano devem ser lançados novos produtos.A Sul América Capitalização lançou no ano passado dois produtos inéditos. O primeiro funciona como garantia de aluguel, criado para substituir a figura do fiador. Este título é adquirido no momento da assinatura do contrato e custa de três a seis vezes o valor do aluguel. O inquilino concorre a prêmios e, no fim do contrato, recebe o que pagou corrigido. O outro lançamento foi batizado como Centavos Premiados. O título é adquirido no caixa de uma rede de supermercados, no lugar do troco em moedas. O Centavos Premiados é comercializado desde dezembro em Belém, no Pará. Em São Paulo, o produto deve começar a ser oferecido até o fim do semestre.Nos próximos dias, a Sul América deverá anunciar uma terceira novidade: um título de capitalização atrelado à compra da casa própria. Sérgio Diuana, vice-presidente da Sul América Capitalização, não quer adiantar os detalhes, apenas confirma que o produto só é possível graças à estabilidade da economia e à reconquista do hábito de poupar. "O conceito de capitalização está mudando, cada vez mais é entendida como poupança a longo prazo. Já houve tempo em que os prazos de resgate dos títulos chegavam a 30 anos. Isso deve voltar", avalia.Parcerias e segredosA Bradesco Capitalização também prepara um novo produto de prazo mais longo, por enquanto um segredo guardado a sete chaves. Seu vice-presidente, Anésio Fassina Filho, diz que uma vantagem da capitalização é a possibilidade de adequar o produto à vontade dos consumidores, dada a sua flexibilidade. "O título pode ser atrelado a qualquer projeto."A Icatu Hartford também usou a criatividade e passou a vender títulos de pagamento mensal, no valor de R$ 30,00 a R$ 300,00 nas lojas C&A. A parceria foi fechada em 1998 e o objetivo, atingido com sucesso, era conquistar clientes da C&A que não têm conta em banco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.