coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Empresas correm para registrar nomes na web

Os problemas com os novos nomes de domínio começaram quando a Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN), empresa sem fins lucrativos que administra toda a rede, decidiu que os atuais 25 domínios genéricos de primeiro nível - os conhecidos .com, .gov, .edu, entre outros - poderiam limitar a expansão e a competitividade na internet. A corporação, que trabalha sob contrato com o Departamento de Comércio dos Estados Unidos, é a responsável por criar os domínios.

O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2013 | 02h07

Os novos registros, de acordo com a decisão da ICANN, não têm mais as limitações de duas ou três letras, como hoje, e seguem poucas regras - não podem ser nomes próprios e de países, por exemplo.

Grandes empresas, como Coca-Cola, pediram o registro dos seus nomes e de outros que possam ter relação com seu negócio, incluindo palavras comuns.

Cabe à diretoria da ICANN, um conselho formado por representantes de diversos países, dar a palavra final sobre esses registros. Cada domínio pode custar milhares de dólares, especialmente se houver um leilão entre mais de um candidato.

"As únicas partes que estão satisfeitas com essa abertura são as empresas que compram e revendem domínios", garante o diplomata Franklin Silva Netto, que participa das reuniões da ICANN. Enquanto empresas gastam milhões de dólares para controlar nomes relacionados a seus negócios, países e sociedade civil brigam para evitar registros esdrúxulos.

A atuação da ICANN tem sido constantemente criticada, apesar de países como o Brasil admitirem que, até hoje, seu trabalho funcionou. Existe um movimento para criar outro sistema de gerenciamento que não seja ligado ao governo americano. A União Europeia já avisou que poderá criar um outro sistema de gerenciamento da internet. A ideia tem apoio em vários lugares do mundo, inclusive do governo brasileiro./LP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.