CCXP
CCXP

Mercado

d1000 faz IPO, ações caem 12% e investidor é penalizado: o que deu errado?

Empresas de eventos corporativos preparam retomada das atividades com protocolos de segurança

Crise paralisou todas a programação do setor desde março; expectativa agora é de que feiras possam voltar a acontecer a partir da segunda quinzena de setembro

Roberto de Lira, especial para o Estadão

01 de julho de 2020 | 12h43

Depois de crescer 9,5% em 2019, alcançando uma receita de R$ 11,3 bilhões, o turismo de negócios está totalmente parado desde março, no início da pandemia de covid-19. O setor depende da volta das feiras, shows, encontros corporativos e festas.

A Associação Brasileira da Agências de Viagens Corporativas (Abracorp) captou já em março o impacto negativo do isolamento social em vários Estados, especialmente em São Paulo, que concentra o grosso dessa atividade no País.

Segundo a Abracorp, a receita com vendas de passagens aéreas, diárias de hotéis e locação de automóveis, entre outros serviços contratados pelas agências filiadas, foi de R$ 890 milhões em média nos meses de janeiro e fevereiro, mas caiu para pouco mais de R$ 400 milhões em março. Entre abril e junho, a queda chegou a 100%, dependendo da empresa. 

Já faz mais de três meses que os eventos estão suspensos. O centro de exposições São Paulo Expo havia acabado de sediar no dia 11 de março a Anufood, uma feira internacional de alimentos e bebidas, e havia iniciado a montagem da Intermodal South America, de transportes e logística, que começaria no dia 19, quando governo estadual anunciou o início da quarentena.

O Expo Center Norte recebeu a feira da indústria de brinquedos Abrin entre os dias 8 e 11 de março e iria abrir no dia 14 a Abradilan, de distribuição de produtos farmacêuticos, quando o isolamento social começou.

Os diretores do SP Expo, Daniel Galante, e do Center Norte, Paulo Ventura, disseram que a partir de então a reprogramação da agenda de eventos passou a ser prioritária. “Num primeiro momento, acreditava-se que uma retomada seria possível em julho, mas o reagendamento se concentrou entre os meses de agosto e dezembro”, afirmou Galante, que também é vice-presidente da União Brasileira dos Promotores de Feiras (Ubrafe). 

Segundo Ventura é mais seguro prever que a retomada se dará na segunda quinzena de setembro.

O novo calendário tem estratégias variadas. O Salão do Automóvel, que levou mais de 700 mil pessoas ao SP Expo no ano passado, ficou para o ano que vem, assim como a Escolar e a Equipotel. A Intermodal foi reagendada para agosto, Francal e Beauty Fair foram alocadas em setembro, a Fispal está agora marcada para outubro e a Fipan, para novembro.

Além da pandemia, a feira Beleza Pro Business enfrentou outro desafio: estava marcada para abril no Anhembi, área hoje ocupada por um hospital de campanha da prefeitura de São Paulo. Segundo o CEO da organizadora Hashkaot Participações, Anderson Marinho, o evento foi remarcado para julho, adiado de novo e agora aguarda por uma nova data.

Liberação prevista só na fase 5 do Plano São Paulo

O setor quer ser reconhecido pelo governo estadual como atividade semelhante aos shopping centers nos protocolos de reabertura da economia. Consideradas como categoria de eventos, as feiras estão recebendo o mesmo tratamento de shows e espetáculos esportivos, com liberação prevista apenas na fase 5 do Plano São Paulo. 

“Compreendo a preocupação das autoridades de saúde, mas eventos B2B (voltados apenas para empresas) não geram aglomeração. Temos mais controle na entrada e maior distância entre os estandes do que nos centros comerciais. Controlar o fluxo de pessoas é mais fácil para nós”, explicou Galante.

Quando reabrirem, esses espaços serão bem diferentes do que os empresários e público em geral estão acostumados. Controles de temperatura na entrada realizados por equipes volantes, instalação de mais postos médicos, estandes arejados e sem espaços fechados, ocupação da capacidade reduzida e mais precisão na climatização do ambiente serão itens padrão. 

Além disso, haverá obrigação do uso máscaras, instalação de lavatórios para as mãos e oferta de álcool em gel. A criação de uma área de isolamento, para um eventual caso suspeito de contaminação, também está nos planos. A Brazil Trading Fitness Fair, marcada para outubro, deve ter até uma tenda de higienização.

Ventura, do Expo Center Norte, acredita que os primeiros eventos, talvez antecipados para a fase 3 da flexibilização, vão dar tranquilidade às autoridades. “Entendemos que é muito importante que as primeiras feiras tenham qualidade de segurança acima da média”, afirmou.

Presencial e online

O modelo híbrido de evento, alternando a presença física com a participação virtual, especialmente para palestras, seminários e salas de reuniões, passou de tendência para no pós-pandemia. O Congresso Nacional das Relações Empresa-Cliente (Conarec) deste ano, por exemplo, será 100% digital.

Há uma expectativa diferente para os eventos classificados como B2C - voltados para o consumidor final -, caso da ComicCom Experience (CCXP), que atraiu 280 mil pessoas ao SP Expo em 2019. A feira está marcada para a primeira semana de dezembro e, por se tratar de um vento público e sujeito a aglomerações, pode sofrer alguma restrição na venda de ingressos, além da redução do número de convidados internacionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.