Empresas de telefonia descumprem meta de qualidade para internet móvel

Segundo a Anatel, o usuário de internet no celular deveria conseguir entrar na rede em 98% das vezes em que tenta se conectar a ela; principal problema detectado pelo órgão regulador está nas conexões 2G, em que somente a Claro superou a meta

Anne Warth / Brasília, O Estado de S.Paulo

27 de julho de 2013 | 02h07

A maioria das operadoras de telefonia ainda não cumpre as metas de qualidade estabelecidas para internet móvel pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Segundo o órgão regulador, o usuário deveria conseguir entrar na rede em 98% das vezes em que tenta se conectar, mas a taxa, em abril, foi de 96,71%, menos que os 97,33% apurados em agosto de 2012.

Somente a Claro atingiu os objetivos traçados para a taxa de acesso à rede, com 98,94%. A Vivo chegou a 96,10%; a TIM, 95,98%; e a Oi, 95,45%. O principal problema está nas conexões 2G, em que somente a Claro superou a meta de 98%, com 98,96%. Já a TIM chegou a 95,81%; Vivo, 95,71%; e Oi, 95,41%. No 3G, os indicadores mínimos foram cumpridos.

A questão é que o 2G está em todos os municípios do País, enquanto o 3G está em pouco mais de 3 mil. "A rede de dados precisa alcançar os níveis de qualidade que a Anatel impôs. Houve melhora, mas é preciso avançar ainda mais", afirmou o presidente da agência, João Rezende. "As empresas precisam investir mais." As metas traçadas pela Anatel para outros três indicadores para voz e dados foram cumpridas pelas companhias. O indicador de taxa de acesso à rede de voz, que tinha como objetivo o porcentual de 95%, atingiu 96,45% em abril. O indicador de taxa de queda na rede de voz, que era de, no máximo, 2%, chegou a 0,86%. E o indicador de taxa de queda na rede de dados, que era de, no máximo, 5%, chegou a 1,57%.

Melhora. Um ano após a medida cautelar que suspendeu as vendas de TIM, Claro e Vivo por 11 dias nos Estados em que elas eram campeãs em reclamações, o presidente da Anatel avalia que os serviços de telecomunicações melhoraram. Mas a quantidade de usuários que fazem queixas ao call center do órgão regulador cresceu no período. De janeiro a junho, a média mensal de ligações foi de 660 mil, ante 518 mil no primeiro semestre do ano passado. Desses contatos, cerca de 40% são reclamações, principalmente sobre cobrança.

Para o superintende de Controle de Obrigações da Anatel, Roberto Pinto Martins, isso não significa que o serviço prestado pelas empresas de telecomunicação piorou. "As pessoas podem ter se sentido mais dispostas a procurar a agência para reclamar", afirmou. Segundo ele, 85% das reclamações que chegam ao call center da agência são resolvidas em até cinco dias.

De agosto do ano passado a abril deste ano, a base de clientes de telefonia celular aumentou em 6,1 milhões de usuários. No período, 8,4 milhões de linhas de 2G foram canceladas, mas 14,5 milhões de linhas de 3G foram habilitadas. No 4G, foram 48.459 adições.

A empresa que mais agregou clientes para o 3G foi a Claro, com 9,9 milhões; seguida pela Oi, com 2,9 milhões; e Vivo, com 2,4 milhões. No período, a TIM perdeu 861,8 mil usuários no 3G, e foi a única que agregou usuários no 2G, com 3,2 milhões.

Em abril, as reclamações por problemas de rede recebidas no call center da Anatel foram lideradas pela TIM, com 3,5 mil; seguida por Claro, com 2,5 mil; Vivo, com 1,6 mil; e Oi, com 1,5 mil. Já a quantidade de reclamações gerais por mil usuários foram lideradas pela Oi, com 0,64, seguida por Claro, com 0,47; TIM, com 0,36; e Vivo, com 0,32.

Resposta - O Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil) disse que o desempenho das companhias para a internet 2G ficou próxima da meta da Anatel. Segundo a entidade, a finalidade principal dessa rede é o atendimento do tráfego de voz. O Sinditelebrasil informou ainda que todas os objetivos traçados para o 3G foram cumpridas e que os investimentos resultaram em melhoria na qualidade dos serviços.

A Vivo afirmou que a maioria dos indicadores de qualidade estabelecidos pela agência foram cumpridos. A companhia disse ter investido R$ 6,1 bilhões em 2012 em rede, área comercial e sistemas. Segundo a empresa, 80% das solicitações dos usuários são resolvidas na 1ª chamada.

A Oi informou que seus indicadores de qualidade avançaram. A companhia diz ter investido R$ 6,6 bilhões no ano passado, dos quais 70% destinados à expansão da rede e melhoria da qualidade dos serviços. A TIM informou que a maioria de seus indicadores estão dentro das metas da Anatel e que vai investir R$ 10,7 bilhões até 2015. A empresa disse que a queda na base de clientes 3G e aumento no 2G é fruto de reclassificação. A Claro destacou que foi a única a cumprir todos os indicadores. A empresa deve investir R$ 6,3 bilhões até 2014.
Tudo o que sabemos sobre:
AnatelInternet Móvel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.