Empresas debatem compra da Ipiranga com deputados na 4ª

Os presidentes da Petrobras, Braskem e Grupo Ultra vão debater a compra da Ipiranga na próxima quarta-feira, 28, em audiência pública na Câmara dos Deputados. Os requerimentos convidando José Sérgio Gabrielli (Petrobras), Pedro Wongtschowski (Ultra) e José Carlos Grubisich (Braskem), foram aprovados pela Comissão de Minas e Energia da Câmara na semana passada.O presidente da comissão, deputado José Otávio Germano (PP-RS), afirmou que, apesar de ser um convite e não uma convocação, já fez contato prévio com os presidentes das empresas e disse acreditar que os três deverão participar da audiência pública na próxima semana.A Comissão de Minas e Energia também quer investigar se houve ou não vazamento de informações que beneficiou as ações da Ipiranga durante o processo de compra da empresa. Os deputados aprovaram requerimento convidando o presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), Marcelo Fernandez Trindade, para explicar a questão depois que for concluída a apuração iniciada pela CVM sobre a suspeita de vazamento.NegócioPetrobras, Braskem e o Grupo Ultra oficializaram na segunda-feira, 19, a compra do Grupo Ipiranga, em negócio de valor estimado em aproximadamente US$ 4 bilhões. O negócio envolve a Refinaria de Petróleo Ipiranga (RPI), a Distribuidora de Produtos de Petróleo Ipiranga (DPPI) e a Companhia Brasileira de Petróleo Ipiranga (CBPI).Pelos termos do negócio, o Grupo Ultra ficará com a rede de distribuição de combustíveis do Grupo Ipiranga nas regiões Sul e Sudeste e continuará operando com a marca Ipiranga. A Petrobras assumirá a rede de distribuição da Ipiranga no Norte, Nordeste e Centro-Oeste e terá até cinco anos para uso da marca Ipiranga, período em que será substituída gradualmente pela marca Petrobras Distribuidora.No setor petroquímico, a Braskem passará a deter 60% dos ativos do Grupo Ipiranga no segmento e reforçará sua posição de controle na Copesul. A Petrobras terá a fatia restante de 40%.Em refino, as operações da Ipiranga no Rio Grande do Sul serão controladas, em partes iguais, pela Petrobras, pelo Grupo Ultra e pela Braskem, que se comprometem a dar continuidade às atividades.VazamentoA Comissão de Valores Mobiliários bloqueou na semana passada as contas de quatro investidores para investigar as suspeitas de vazamento de informações privilegiadas na compra da Ipiranga.Um fundo sediado em Delaware, nos Estados Unidos, e três pessoas físicas, sendo que uma delas é funcionário de uma das três empresas envolvidas na compra, são acusados de terem se beneficiado dessas informações para lucrar com a compra e venda de ações da Ipiranga. Esses investidores teriam comprado ações do Grupo antes do anúncio do negócio, vendendo-as após a divulgação e lucrando com a alta em decorrência da venda da Ipiranga.Conheça os compradoresBraskem» Maior companhia do setor na América Latina, controlada pelo Grupo Odebrecht » Possui unidades industriais em Camaçari (BA), Maceió e Marechal Deodoro (AL), Triunfo (RS) e São Paulo » Receita líquida de R$ 11,7 bilhões » Lucro líquido de R$ 82 milhõesPetrobras» Com a área de distribuição da Ipiranga, a estatal poderá elevar o controle do mercado de combustíveis dos atuais 32% para 50% » Possui atividades nos setores de gás e energia, refino, transporte e armazenamento e distribuição » Tem 16 refinarias e 5.870 postos ativos (638 próprios) » Receita líquida de R$ 168,2 bilhões » Lucro líquido de R$ 25, 9 bilhões Grupo Ultra» Empresas: Ultragaz, Oxiteno e Ultracargo » 6,5 mil funcionários no Brasil e México » Lucro líquido de R$ 1,3 bilhão

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.