Empresas dos EUA estão preocupadas com desenrolar de Doha

Bancos, empresas de telecomunicaçõese fornecedores de serviços de informática são alguns dossetores dos Estados Unidos que estão cada vez mais preocupadosse serão deixados de fora de um novo acordo mundial decomércio, disse na quinta-feira uma autoridade da indústrianorte-americana. Com as negociações sobre agricultura e manufaturadosmostrando algum progresso depois de quase seis anos denegociações, "estamos bastante preocupados" de que os membrosda Organização Mundial de Comércio vão buscar um acordo paraabrir mercados apenas nessas duas áreas", disse Bob Vastine,presidente da União das Indústrias de Serviços. As negociações sobre serviços se arrastam desde que aRodada de Doha começou em 2001, apesar de os potenciaisbenefícios de uma liberalização maior serem enormes. Um estudo de 2005 da Universidade de Michigan estimouganhos de renda e outros benefícios econômicos de quase 1,7trilhão de dólares com a eliminação de barreiras comerciais nosserviços, comparado com 702 bilhões de dólares em manufaturadose 54 bilhões em agricultura. O setor de serviços agora responde por mais de dois terçosda atividade econômica mundial, mas por apenas 20 por cento docomércio mundial. Acredita-se que as próximas semanas são críticas para odestino de Doha. Sem um resultado em breve, as negociaçõespodem ser congeladas até pelo menos 2009 --quando a Casa Brancaterá um novo presidente. Esboços de um acordo divulgados em julho aumentaram asesperanças de um acordo nas áreas de agricultura emanufaturados, apesar de a questão continuar problemática. A reunião ministerial da OMC em Hong Kong, em dezembro de2005, deu uma nova energia às negociações de serviços, masimportantes países em desenvolvimento ainda não fizeram ofertassignificativas para abrirem seus mercados de serviços, disseVastine. Grupos da indústria de serviços dos EUA, da União Européiae sete outros parceiros comerciais planejam realizar uma visitaaos escritórios da OMC em Genebra no dias 26 e 27 de setembro,para falar de suas preocupações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.