finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Empresas procuram BNDES para novos projetos de R$ 1,5 bi

Interesse por projetos na área de insumos básicos não mudou com o agravamento da crise de crédito

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

13 de novembro de 2008 | 18h24

O interesse por novos investimentos na área de insumos básicos continua crescendo apesar da crise de crédito no mercado internacional. O diretor de infra-estrutura do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Wagner Bittencourt, informou que mesmo com o agravamento da crise, em setembro, o banco foi procurado por empresas com projetos de implantação de unidades, de US$ 1,5 bilhão. "Temos recebido empresas de insumos básicos com projetos greenfield dessa ordem", disse Bittencourt. A área de insumos básicos do banco trata dos setores de química e petroquímica, papel e celulose, mineração e siderurgia. Citou ainda que há empresas estrangeiras, inclusive, procurando o banco. Veja também:  BNDES desembolsa R$ 86,6 bi em um ano, valor recorde Bittencourt afirmou que, com exemplo, pode-se perceber que não se percebeu no BNDES a redução de interesse por investimentos. Ele ressaltou ainda que as linhas de transmissão da energia a ser produzida na usina hidrelétrica do Rio Madeira, cujo leilão está marcado para o dia 26, devem exigir investimento entre R$ 7 bilhões e R$ 8 bilhões. O BNDES pode financiar agora até 90% deste total, sendo 70% referentes ao empréstimo principal, nas condições do PAC (com juros baseados na TJLP e prazo de carência), e agora mais até 20% do valor do investimento para o empréstimo-ponte (com juros de mercado e prazo de 18 meses para pagar). Bittencourt lembrou ainda que no ano que vem serão realizados leilões de concessão de rodovias e para a construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, entre outros.

Tudo o que sabemos sobre:
BNDEScréditoinsumos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.