Empresas reforçam o caixa e podem vender participação

Empresas reforçam o caixa e podem vender participação

Gol poderá ‘rearrendar’ aviões e receber aportes da Delta; Azul não descarta vender seu programa de milhagem

Marina Gazzoni, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2015 | 03h00

O mercado financeiro colocou em xeque a capacidade financeira das empresas aéreas de voltar a dar resultado. As quatro maiores empresas latinas – Latam, Gol, Avianca e Copa – perderam US$ 13 bilhões do seu valor de mercado desde janeiro de 2014, e hoje valem 68% menos. Se a crise avançar, fusões e aquisições podem ser a saída para a sobrevivência das empresas, dizem fontes de mercado.

Por enquanto, elas estão reforçando o caixa. Em setembro, a Gol captou empréstimos de US$ 300 milhões e mais US$ 146 milhões com dois acionistas – a família Constantino e a companhia aérea americana Delta – em uma operação que elevou a fatia da Delta na Gol para 9,48%. A empresa tinha R$ 2 bilhões em caixa em junho, mas é a mais exposta ao mercado brasileiro e foi a que mais perdeu valor.

O Estado apurou que a Gol já estuda fazer uma operação de venda e “rearrendamento” de aviões e pode captar até US$ 400 milhões. Se a crise se agravar, a empresa poderá vender participações maiores à Delta, mas, no curto prazo, a opção está descartada pelos controladores, justamente porque o valor da empresa está depreciado. A Delta é avaliada em US$ 40 bilhões.

Já a Latam, dona da TAM e da LAN, tinha US$ 1,6 bilhão em caixa em junho, mas seu risco financeiro é considerado pelos analistas de mercado menor do que o da Gol. A razão é que a Latam tem mais condições de fazer caixa com voos em mercados mais rentáveis, como Chile, Peru e Colômbia, e tem acesso a mercado de capital externo.

A Azul e a Avianca não divulgam sua posição de caixa. O presidente da Azul, Antonoaldo Neves, disse que a empresa encerrou o segundo trimestre de 2015 “com o maior caixa de sua história”, formado em parte pelos US$ 100 milhões captados com a venda de 5% da Azul à United Airlines este ano. Segundo ele, a empresa tem opções para levantar capital se necessário, como a venda do seu programa de milhagem, o Tudo Azul, a fundos de private equity.

A Avianca Brasil viu fracassar uma proposta para que a Avianca colombiana investisse na empresa, segundo a Bloomberg. As duas têm os mesmos controladores, os irmãos José e Germán Efromovich, mas a colombiana tem outros acionistas. José Efromovich disse que a Avianca Brasil “tem caixa para enfrentar a crise se ela não perdurar”. “Mas o caixa não é eterno.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.