Empresas terão de cumprir metas mensais, avisa Anatel

Todas as operadoras de telefonia celular no País terão que cumprir metas mensais de aumento na capacidade de suas redes e de atendimento aos consumidores nos call centers. A informação foi prestada nesta quinta-feira pelo superintendente de serviços privados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Bruno Ramos.

EDUARDO RODRIGUES, Agencia Estado

20 de julho de 2012 | 13h35

A partir de segunda-feira TIM, Claro e Oi terão a venda de novas linhas suspensas até que apresentem ao órgão regulador planos para cumprir essas obrigações. Além disso, Vivo, CTB e Sercomtel precisarão entregar um planejamento à Anatel.

"Fizemos uma reunião hoje com a Claro e ela nos apresentou um esboço de plano, contendo os investimentos da empresa já anunciados para este ano. Mas a Anatel também exigirá outros itens, como parâmetros mensais de aumento da capacidade e dados sobre o atendimento aos usuários", disse Ramos, acrescentando que haverá uma nova rodada de negociações com a Claro na segunda-feira.

No momento, o superintendente está reunido com executivos da TIM e receberá a cúpula da Oi na sexta-feira, às 11 horas. Segundo ele, as operadoras solicitaram os encontros para saber exatamente o que a Anatel exige para que seja cancelada a suspensão da venda de novas linhas. "Cada empresa está hoje em um patamar e por isso as metas para cada uma serão diferenciadas. A Anatel irá acompanhar o cumprimento das metas mensalmente e poderá determinar nova suspensão, se os patamares não forem atingidos", declarou Ramos.

Conforme o superintendente, as empresas punidas terão que colocar um aviso em todos os pontos-de-venda nos Estados onde foram penalizadas. "Inclusive nos camelôs." Quanto às queixas de algumas companhias sobre a dificuldade de instalação de novas antenas, Ramos argumentou que a punição não se limita à má qualidade do serviço, mas também ao atendimento insatisfatório dos usuários nos call centers.

Tudo o que sabemos sobre:
operadorassuspensãoAnatelmetas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.