Empresas usam ''agradinho'' para ganhar preferência

Para conquistar o pequeno e médio varejista, a Leardini não pode concorrer no item preço - o executivo Sandro Facchini diz que a empresa é a "mais cara" no ramo em que atua. Para convencer os supermercados a colocar o produto da empresa nos refrigeradores, o investimento é no serviço. A empresa oferece gerente de vendas próprio, promotores e participa dos encartes de redes regionais, como Andorinha, Záffari e Angeloni.

, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2010 | 00h00

Além disso, toda a equipe de vendas trabalha apenas com os 180 itens oferecidos pela empresa. "Geralmente, distribuidor vende arroz, chapéu, bota e peixe, tudo ao mesmo tempo." Com a estratégia de convencimento, a empresa transformou um produto um tanto exótico em seu "carro-chefe". Hoje, o item mais vendido da Leardini é o filé de Panga, peixe importado do Vietnã, que custa R$ 8,99 o quilo.

O presidente da General Brands, Isael Pinto, prefere uma estratégia mais direta. Especialmente no Norte e Nordeste, onde os distribuidores têm especial importância em seu negócio, o empresário costuma fazer sorteios de prêmios, como motocicletas e jogos de cozinha, para que os revendedores tenham um motivo a mais para oferecer os produtos da GB com afinco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.