Empresas vendem a experiência de dirigir um veículo esportivo

Pequenos negócios de São Paulo oferecem serviço já consolidado em países da Europa e nos Estados Unidos

Gisele Tamamar, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2013 | 02h16

Quem sonha comprar uma Ferrari ou um Porsche, mas não tem dinheiro suficiente, pode ao menos pagar um valor menor para pilotar os superesportivos por alguns quilômetros.

Esse é o serviço oferecido por duas pequenas empresas de São Paulo que 'importaram' o modelo de negócio já consolidado nos Estados Unidos e Europa de vender a experiência de dirigir o carro dos sonhos.

O empresário Rodrigo Camargo Penteado sempre teve vontade de trabalhar com carros. Dono de um buffet, ele viajou com um amigo para Alemanha, onde passou 15 dias a bordo de um Porsche. A experiência o motivou a empreender no ramo e a convidar Thomas Michael Liess, hoje seu sócio, para abrir a Drive4Fun no ano passado.

Uma Ferrari F355 Berlinetta e um Porsche 911 Carrera são os atrativos da empresa - o cliente pode dirigir o Porsche, por exemplo, por 24 quilômetros e pagar R$ 600. Os percursos são feitos nos fins de semana na Rodovia dos Bandeirantes e 95% dos passeios são comprados por mulheres para presentear maridos, namorados, e pais.

"Entre 15% e 20% dos nossos clientes até têm potencial para comprar um carro esportivo, mas não é prioridade", afirma Penteado, que fatura R$ 50 mil, em média, por mês. Os passeios respondem a 50% do faturamento. A outra metade vem de eventos, como ações de incentivo de funcionários.

Um dos desafios citados por Penteado está relacionado ao seguro. A empresa tem um projeto para montar um portfólio de carros para as pessoas alugarem nos fins de semana. "Não tem seguro para esse tipo de negócio, para deixar o carro na mão da pessoa. Por isso, hoje, todos os nossos passeios são acompanhados de instrutor."

No Clube T2A, o proprietário Thiago Andrews Alvarez chama o serviço de 'passeio dos sonhos'. "É uma forma de popularizar", diz Alvarez. Entre os modelos disponíveis estão um Camaro SS, um Ford Mustang V6 Coupe, um Corvette C6 e o Mercedes SLK 200.

O passeio mais barato custa R$ 263,71 e dá direito a dirigir o Mercedes por dez quilômetros. "O nosso maior desafio é as pessoas entenderem o conceito", afirma Alvarez. A empresa realiza entre 30 e 50 passeios por mês e registra faturamento médio mensal de R$ 20 mil só com esse tipo de serviço - a maior parte dos ganhos ainda vem do aluguel para eventos.

Potencial. Na avaliação de Renato Santos, consultor e especialista em empreendedorismo, as duas empresas estão na ponta da lança de uma tendência que está se consolidando: a evolução de transações para interações. "Estamos indo para uma fase de interações, em que o cliente está muito mais próximo da empresa", destaca. A recomendação para os empreendedores da área é não pensar apenas na experiência de guiar o carro, mas buscar atender todos os sentidos do consumidor - desde a venda até a recordação que ele vai guardar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.