Empréstimo do BNDES à Varig não está definido, diz Marinho

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, que participou da reunião entre os credores governamentais da Varig e o presidente em exercício, José Alencar, disse que ainda não está definido se haverá empréstimo do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a solução do problema financeiro da Varig. Ele destacou que qualquer operação, "deverá ser analisada do ponto de vista da credibilidade e se os tomadores têm condições de honrar os empréstimos".A reunião de hoje, segundo Marinho, tem o objetivo de definir uma posição das empresas estatais credoras, a qual será submetida à reunião de amanhã, no Rio de Janeiro, no Conselho de Credores da companhia aérea.Sem dar detalhes, ele informou que estão sendo analisados três planos de recuperação: o que foi já apresentado à Justiça pelos atuais gestores da empresa, uma proposta do empresário Nelson Tanure e outra da Associação de Pilotos da Varig (Apivar). Sobre a possibilidade de os credores assumirem assentos no conselho de administração da Varig, Marinho disse que esta questão é menos importante. Salário mínimoMarinho aproveitou a oportunidade para dizer que, na primeira quinzena de dezembro, será definido o valor do novo salário mínimo que entrará em vigor em maio do ano que vem. Segundo ele, no intervalo daqui até dezembro, serão concluídas as negociações com as centrais sindicais e com a área econômica do governo para alocação de mais recursos do Orçamento da União para o aumento do mínimo.Marinho não quis arriscar um valor, mas afirmou que, no que depender dele, será maior do que os R$ 321,00 projetados na proposta orçamentária de 2006. "Será o maior salário mínimo que couber no orçamento", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.