Empréstimo para servidor é bom negócio para banco pequeno

Os empréstimos para os funcionários públicos, especialmente de prefeituras, é um dos nichos mais promissores para os bancos sem grande rede de agências. A avaliação é do diretor do Banco Arbi, Luiz Fernando Pessoa, que está apostando nos empréstimos "com averbação", com descontos nas folhas de pagamento, para elevar os ativos do banco da faixa de R$ 60 milhões computados no final do ano passado para R$ 150 milhões no final deste ano. Na sua opinião, os grandes bancos varejistas não têm interesse nesse tipo de operação, já que conseguem emprestar recursos a taxas mais favoráveis no cheque especial. "É pouco provável que um banco troque um empréstimo com taxa de 10% ao mês para outra com juros de 2,5% a 3,5% ao mês, como são os empréstimos em consignação para descontos em folhas de pagamento", disse Pessoa, justificando porque esse tipo de operação ainda não alcançou volumes mais expressivos. Na opinião do diretor do Arbi, embora ofereça maiores facilidades para o recebimento, já que há o desconto em folha, os empréstimos em consignação exigem "cuidados adicionais" para não dar prejuízos ao banco. Um dos principais aspectos a serem observados, na avaliação do executivo, é escolher prefeituras que mantenham as suas finanças em ordem e respeitam os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal. "Nós avaliamos a administração da prefeitura, antes de firmar convênio para esse tipo de operações. Só vale a pena operar com administrações que mantenham as suas finanças em ordem", observou. Segundo ele, são muitas as prefeituras brasileiras que estão financeiramente equilibradas, o que amplia a possibilidade de empréstimos para os funcionários, com descontos em folha de pagamento. Além de empréstimos para funcionários públicos com descontos em folha de pagamento, o Banco Arbi está apostando no aumento de repasses de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Pessoa não crê que as recentes alterações nas regras do banco estatal de fomento para os agentes financeiros impeça o Arbi de ampliar as operações. Uma dos focos do BNDES é privilegiar mais os bancos que se preocupam mais com "operações pulverizadas", com pequenas empresas. Pessoa acredita que o banco consegue fazer operações com pequenas empresas, mesmo não tendo muitas agências bancárias. Para contornar isso, o Arbi desenvolveu sistema de parcerias em entidades de classe e está desenvolvendo um novo canal de comunicação, através de seu site na internet.

Agencia Estado,

04 Março 2004 | 12h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.