Empurra-empurra na busca pelas melhores ofertas

No Magazine Luiza, disputa provocou até ferimentos

, O Estadao de S.Paulo

10 de janeiro de 2009 | 00h00

Antes da liquidação começar, uma consumidora ainda tenta prevenir os funcionários do Magazine Luiza. "Isso aqui é São Paulo, vocês têm de isolar essa entrada, porque senão eles vão invadir." Faltam 5 minutos para a abertura das portas, marcada para as 6 horas. A fila para entrar na loja de Pinheiros, zona oeste da capital paulista, dá a volta na quadra e já causa problemas no trânsito da região.Na fila, quem passou a noite com a esperança de conseguir produtos com descontos de até 70% confia na organização da loja, que distribuiu senhas e panfletos explicativos. Mas os avisos são solenemente ignorados. Na hora da abertura, os consumidores forçam a entrada para furar a fila e os vendedores têm de se unir para conseguir fechar a porta.Pelo menos duas pessoas ficaram feridas no empurra-empurra: uma mulher que caiu na escada e o estudante Daniel Vasconcelos, de 19 anos, que machucou o dedo. A situação só foi controlada quando a Polícia Militar chegou, uma hora depois. A essa altura, os itens mais baratos, como os ferros de passar roupa e as panelas de pressão de R$ 9 já estavam esgotados. O trabalhador autônomo Márcio Vilela, de 38 anos, ficou frustrado. Ele foi o primeiro da fila e esperou 15 horas para entrar na loja. Lá encontrou o que queria, uma televisão de LCD de 42 polegadas e um notebook. Gastou R$ 2,4 mil com as compras, cerca de R$ 400 a mais do que esperava. "Eu pensava em gastar menos, mas teve gente que furou a fila, entrou antes, e pegou as melhores ofertas", protestou. O advogado Daniel Uler, de 26 anos, fez valer a espera de 12 horas na fila. "É bem mais barato, mas tive de forçar para entrar", diz. Ele encontrou as duas televisões de LCD que queria, uma de 40 e outra de 42 polegadas. "Paguei R$ 1,99 mil em uma TV que custava R$ 4,9 mil."Segundo o Magazine Luiza, a loja de Pinheiros foi a única das 47 unidades da capital paulista que teve confusão. É a primeira vez que a empresa faz esse tipo de liquidação na cidade.A uma quadra de distância, o Ponto Frio não teve incidentes. A loja também fez liquidação ontem. Abriu uma hora mais cedo, mas atraiu menos clientes. Às 4h45, enquanto a fila para o Magazine Luiza dobrava a esquina, 14 pessoas esperavam em frente à loja. A liquidação foi prorrogada e termina hoje. Para o casal Matheus e Anne Amaral , o movimento na loja foi proporcional à vantagem nos preços. "A geladeira mais barata que encontrei aqui custava R$ 969 e estava por R$ 899 nas Lojas Pernambucanas", disse Anne. "Com certeza no Magazine Luiza está mais barato, o problema é enfrentar aquela fila", reclamava Amaral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.