Encomendas de bens duráveis caem 1,3% nos EUA

As encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos recuaram 1,3% em agosto, para o valor sazonalmente ajustado de US$ 191,17 bilhões, segundo informou hoje o Departamento de Comércio do país. O recuo é o maior desde agosto de 2009. Economistas esperavam queda de 1%. O dado de julho foi revisado para mostrar alta de 0,7%, ante a elevação de 0,4% informada anteriormente.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

24 de setembro de 2010 | 11h26

As encomendas de bens de capital não ligados à defesa, excluindo aeronaves - um indicador dos investimentos das empresas, aumentaram 4,1%. As encomendas de equipamentos de transporte caíram 10,3% em agosto, puxadas pela queda de 40,2% das encomendas de aeronaves e peças não ligadas à defesa. As encomendas de veículos automotivos e peças diminuíram 4,4%.

As encomendas de aeronaves civis, uma categoria volátil, subiram 69,1% em agosto, depois de recuarem 25,3% em junho. Fora do setor de transportes, as encomendas para todos os outros bens duráveis aumentaram 2% em agosto. No acumulado do ano, as encomendas dos bens duráveis cresceram 15,2%, em termos não ajustados, na comparação com o mesmo período do ano passado.

As encomendas não atendidas dos produtores manufatureiros, um sinal de demanda futura para o setor industrial, recuaram 0,1% em agosto. Os embarques de bens duráveis dos produtores manufatureiros caíram 1,5% em agosto, enquanto os estoques cresceram 0,4%.

As encomendas de bens de capital caíram 0,9% em agosto. As encomendas de bens de capital não ligados à defesa, previstos para durarem dez anos ou mais, também recuaram 0,9%. As encomendas de bens de capital ligados a defesa diminuíram 1,5% em agosto. Excluindo defesa, todos os outros bens duráveis tiveram queda de 1,2% em agosto. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
indústriabens duráveisencomendasEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.