Eletropaulo
Eletropaulo

Enel quer instalar 1 milhão de medidores inteligentes em SP

A companhia não divulgou o investimento estimado especificamente nessa iniciativa, mas destacou que de 2019 a 2021 serão aplicados 700 milhões de euros

Luciana Collet, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2018 | 17h14

A Enel Distribuição São Paulo, novo nome da Eletropaulo, pretende instalar 1 milhão de medidores como parte do plano de investimentos da companhia até 2021 e que tem como objetivo melhorar a qualidade do fornecimento para os clientes e reduzir em 30% o custo operacional por cliente (Opex per client) da distribuidora. 

A companhia não divulgou o investimento estimado especificamente nessa iniciativa, mas destacou que de 2019 a 2021 serão aplicados 700 milhões de euros. "É mais que a média anual investida na empresa nos últimos anos", destacou o presidente da Enel Americas, Mauricio Bezzeccheri. 

Ele salientou ainda, que o programa de instalação dos medidores em São Paulo corresponde a 50% de todos os medidores inteligentes que o Grupo Enel planeja instalar em toda a América do Sul no período.

O executivo admitiu que uma instalação desse porte ainda depende do avanço da regulação e da certificação dos equipamentos junto ao Inmetro, fatores que tem se mostrado como limitadores da expansão da tecnologia pelas distribuidoras do País. 

"A regulação normalmente passa sobre a prática ou a regulação internacional. Por isso, no Brasil como na América Latina, estamos trabalhando juntos", disse. Ele disse considerar importante a instalação de medidores no País porque pode ativar uma série de benefícios, como maior agilidade de resposta de intercorrências, resultando da redução dos indicadores de qualidade de serviço, além de novas oportunidades, como a introdução de tarifas binárias.

Qualidade 

O presidente da Eletropaulo, Max Xavier Lins, reiterou que a companhia deve concluir 2018 com R$ 1,3 bilhão em investimentos realizados, com destaque para a entrega de sete novas subestações, que beneficiam 2 milhões de clientes. Dentre as mais significativas ele destacou - Vila Mariana, Alphaville, e Batistini (em São Bernardo do Campo) - localizadas em densas regiões, com forte demanda de energia.

Para 2019, o plano da companhia é realizar a modernização e expansão da capacidade de seis subestações existentes, beneficiando cerca de 400 mil clientes. Entre elas, Xavier destacou Paula Souza e Taboão da Serra.

Durante evento para anunciar a nova marca da companhia, o executivo destacou que as mudanças em andamento não se restringem ao nome da companhia, mas passam também por melhorias de processos, automações de canal de atendimento, novos serviços digitais. "Vamos fortalecer, automatizar e informatizar em busca de melhores indicadores para clientes", disse o executivo, salientando que a companhia alcançou em setembro o melhor indicador de frequência de interrupções (FEC) de sua história, e o segundo melhor de duração, mas salientou que a companhia precisa seguir avançando na qualidade do serviço. 

 

Mais conteúdo sobre:
Enel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.