Energéticas melhoram seus resultados

Os reajustes tarifários aumentaram as receitas das energéticas e contribuíram para a melhora dos resultados até setembro. Os reajustes foram de 15,4% em junho de 1999 e de 20,6% em agosto deste ano. Esse aumento na receita da companhia, pela diminuição da margem de prejuízo ou pelo próprio crescimento da empresa, contribui para a sua saúde financeira poderá resultar em uma valorização para os papéis do setor energéticoAs Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) registraram prejuízo líquido de R$ 3,2 milhões nos primeiros nove meses do ano, com queda de 89,5% em relação ao período de 99. Segundo a companhia, o aumento de 20,1% na receita líquida do período ocorreu, principalmente, devido ao reajuste das tarifas. Além disso, a empresa registrou crescimento de 6,7% do mercado de energia.A Companhia Energética de São Paulo (Cesp) também conseguiu reduzir sua perda. A empresa contabilizou este ano, até setembro, um prejuízo líquido de R$ 131,4 milhões, recuando 83,2% frente a igual período do ano passado. A comparação entre o preço médio da energia vendida pela Cesp mostra evolução de 11,3%. Em seu relatório de desempenho, a companhia destaca que o crescimento ocorreu em razão dos reajustes tarifários e da maior quantidade de energia vendida. Outra companhia beneficiada pela elevação do preço da energia foi a Light, que reduziu em 79,5% seu prejuízo até setembro, fechando em R$ 85,2 milhões. A receita operacional bruta da empresa totalizou R$ 877,8 milhões no terceiro trimestre, volume 6,1% maior em relação ao mesmo período do ano passado. A melhora, disse a empresa, teve origem no reajuste tarifário promovido em novembro de 1999 - de 10,6% - e na elevação do faturamento de energia de curto prazo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.